Nenhum direito a menos!

Dia 19: parou contra a reforma da Previdência!

Bancários se unem a trabalhadores de todo o país, das mais diversas categorias profissionais em greve contra o fim da aposentadoria pública e a retirada de direitos

  • Cláudia Motta, Spbancarios
  • Publicado em 19/02/2018 07:48 / Atualizado em 19/02/2018 18:59

Agências em São Paulo, Osasco e nas cidades da região paralisam as atividades na greve contra a reforma da Previdência

Foto: Seeb-SP

São Paulo - Bancários, metalúrgicos, professores, químicos, servidores públicos, profissionais do setor de energia, de transporte, indústrias. Milhões de trabalhadores em todo o Brasil fazem greve nesta segunda-feira 19 contra a reforma que destrói a Previdência pública e contra a retirada de direitos.

Sem apoio, sem credibilidade e arrastando o país para o fundo do poço, o governo ilegítimo de Michel Temer segue com suas tramoias. A mais recente é a intervenção militar no Rio de Janeiro. Temer disse que suspenderia a intervenção a qualquer momento para votar a reforma que acaba com a aposentadoria pública, mas o presidente do Congresso, Eunício Oliveira, negou: “Não há previsão constitucional de suspensão de decreto. Ele pode a qualquer momento suspender o decreto, mas como? Extinguindo a intervenção no Rio de Janeiro. Se for pra fazer uma intervenção, chamar todos nós, fazer a intervenção e daqui a cinco dias dizer que foi um equívoco porque precisa votar matéria A ou matéria B, não teria sentido ter feito a intervenção”. O presidente da CUT, Vagner Freitas, disse que o recuo é uma vitória dos movimentos sindical e sociais.

Posts da greve contra a reforma da Previdência, desde as primeiras horas do dia

Quem votar, não volta - “Essa é uma situação absurda, vergonhosa e novamente a classe trabalhadora está unida para protestar por seus direitos”, afirma a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva. “Já deixamos claro para todos os parlamentares, mas nunca é demais avisar: quem votar a favor da reforma da Previdência de Temer, que na verdade é mais um desmonte dos direitos dos trabalhadores, não volta ao Congresso Nacional. Estamos denunciando que são os deputados e senadores que apoiam essa barbaridade contra o povo trabalhador e eles nunca mais serão eleitos”, reforça a dirigente. “Se essa reforma passar, haverá um desincentivo para as pessoas contribuírem e assim elas também ficariam descobertas da licença-maternidade, do acidente de trabalho e outros itens da seguridade social.”

A mentira do combate aos privilégios na reforma da Previdência
Veja o que o governo não conta sobre a reforma da Previdência
Desequilíbrio na Previdência é fruto do desemprego, diz Gabas
Cartilha do Sindicato mostra: não há déficit na Previdência
> Governo não diz, mas valor das aposentadorias vai cair

Os bancários participam da greve em todo o Brasil. Em São Paulo, Osasco e nas cidades da região, agências de bancos fecharam. A paralisação foi definida em assembleias nos locais de trabalho nos dias 8, 9, 14 e 15 de fevereiro. Os dirigentes sindicais debatem com os trabalhadores sobre os riscos da reforma da Previdência e a perda de direitos imposta pela lei trabalhista de Temer.

> Bancários aderem à greve do dia 19

“Estamos nos reunindo com os bancários e, às 16h, todos devem se dirigir ao vão livre do Masp, na Avenida Paulista, para o grande ato chamado pela Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo”, convoca a presidenta do Sindicato. “Essa união tem conseguido barrar até agora esse ataque à aposentadoria pública e não sairemos das ruas enquanto ela não for definitivamente encerrada. Esse governo autoritário e incompetente, não tem legitimidade para fazer as mudanças que está impondo e que estão acabando com o Brasil. Unido, o povo trabalhador vai virar esse jogo e voltar aos tempos em que havia emprego e bons salários para todos.”

Participe da luta – Além de cruzar os braços nesta segunda-feira, os trabalhadores também podem participar da luta utilizando #queromeaposentar nas redes sociais. E, além disso, acessar o napressao.org.br para enviar mensagem e pressionar os parlamentares para que não votem essa reforma que é o desmonte da Previdência pública brasileira.

Acompanhe a paralisação – Sindicatos filiados à CUT realizam diversos atos, greves e atrasos na início das atividades neste 19 de fevereiro. Confira os detalhes da mobilização pelo estado de São Paulo.

Você também pode ouvir todas as informações sobre a greve do dia 19 na Rádio Democracia, que está no ar desde as primeiras horas da manhã, com transmissão ao vivo dos protestos por todo o Brasil. Acompanhe pelo www.radiodemocracia.net.br.



Voltar para o topo