O rico fica mais rico

Bancos privados distribuem R$ 37 bi em dividendos

Para a presidenta do Sindicato, Ivone Silva, dado comprova que o lucro dos bancos privados nem sequer é reinvestido nas próprias instituições. “Trabalhadores perdem, clientes perdem, mas os acionistas estão cada vez mais ricos”

  • Redação Spbancarios, com informações do Valor
  • Publicado em 06/02/2019 16:53 / Atualizado em 08/02/2019 17:00

Arte: geralt/Pixabay

Em 2018, Itaú, Santander e Bradesco, os três maiores bancos privados do Brasil, distribuíram R$ 36,8 bilhões aos acionistas em dividendos, juros sobre o capital próprio e recompra de ações. O valor equivale a 61,7% do lucro líquido ajustado que os três bancos somados tiveram no ano passado (R$ 59,695 bilhões).

> País perde R$ 4,6 bi ao não tributar acionistas de Itaú, Bradesco e Santander

O número foi impulsionado principalmente pelo Itaú, que na segunda-feira 4 anunciou pagamento adicional de R$ 16,4 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio aos acionistas. Assim, o valor distribuído alcançou o recorde de R$ 22,9 bilhões, equivalente a 89,2% do lucro líquido de 2018. 

Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

Em setembro de 2017, o Itaú acabou com o teto que limitava a distribuição de dividendos a 45% do lucro líquido. A medida foi tomada para lidar com um “problema” do banco, o excesso de capital. 

> Número de bancários doentes dispara em oito anos
> Bancos podem e devem contratar mais

"Esses dados confirmam o modo de operar dos bancos no Brasil. Ganham dinheiro aplicando em títulos da dívida e cobrando as maiores taxa de juros do mundo. Reduzem custos com corte de pessoal e fechamento de agências. O lucro que resulta daí nem sequer é reinvestido no próprio banco, mas vai para a conta dos acionistas através de dividendos distribuídos. Trabalhadores perdem, clientes perdem, mas os acionistas estão cada vez mais ricos", avalia a presidenta do Sindicato, Ivone Silva.



Voltar para o topo