Mobilização

Trabalhadores fazem passeata para impedir fechamento da Ford

Em greve desde o dia 19, metalúrgicos conseguem solidariedade e apoio de várias categorias profissionais e pedem à população: não comprem carros da marca até que a Ford resolva ficar

  • Érica Aragão, da CUT, com Redação Spbancarios
  • Publicado em 26/02/2019 14:38 / Atualizado em 26/02/2019 18:16

Manifestantes enfrentam a chuva e a direção da Ford

Foto: Roberto Parizotti/CUT

Centenas de guarda-chuvas coloridos simbolizaram a determinação dos trabalhadores da Ford, em São Bernardo do Campo, na Região do ABC Paulista, de lutar por seus direitos na manhã da terça-feira 25, de chuva. Em greve desde o anúncio de fechamento da fábrica que produz caminhões, no último dia 19, os metalúrgicos realizaram uma assembleia para discutir os rumos da mobilização e a estratégia da luta pela manutenção dos empregos na montadora e em toda a cadeira produtiva da indústria automobilística. Depois, seguiram em caminhada pelo centro da cidade. (Ver galeria abaixo)

A reportagem é do Portal CUT.

Também sem medo de tempo ruim, representantes de sindicatos de várias categorias profissionais, filiados a CUT e demais centrais sindicais, trabalhadores de outras empresas e movimentos sociais participaram da assembleia realizada na porta da montadora e da caminhada pelas ruas de São Bernardo. E, entre a Ford e o Paço Municipal, onde foram para pressionar o prefeito da cidade, Orlando Morando (PSDB), para que ele proponha políticas de proteção aos empregos e a empresa no Brasil, muitos motoristas buzinaram em solidariedade aos metalúrgicos.  

Durante o percurso, trabalhadores de empresas que prestam serviços para a Ford, como autopeças, diretores do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (SMABC), denunciavam os impactos da saída da Ford.

“Essa luta é de todos. Essa montadora não pode fazer isso. Tem pais, mães, filhos fazendo a luta, afirmou a secretária de Mulheres da Federação Estadual dos Metalúrgicos de São Paulo, Andréa Souza.

“Sem emprego, os trabalhadores não vão poder comprar, os comércios vão sair no prejuízo e toda a economia de São Bernardo será afetada e não vamos permitir que isso aconteça”.

Impactos

O fechamento da planta da Ford no ABC impacta mais de 27 mil trabalhadores, direta e indiretamente – tanto da Ford quanto das fábricas que produzem peças automotivas, prestadores de serviços, restaurantes e comércio da redondeza. Isso sem contar o impacto na economia da região.

E foi contra mais essa tragédia para a classe trabalhadora, que se uniram a luta contra o fechamento da montadora, metalúrgicos de regiões como Osasco, Pouso Alegre, Guarulhos e Taubaté, professores, químicos, eletricitários e servidores públicos e até trabalhadores do outro lado do mundo.

“Estamos aqui não somente por solidariedade, estamos ao lado de vocês porque estamos convencidos que a luta de vocês também é nossa!”, afirmou Elena Lattuada, Secretária-Geral da Confederação Geral Italiana - CGIL Lombardia, maior sindicato da Itália, que representa mais de 5,5 milhões de trabalhadores.

“Vamos conversar com o sindicato europeu e a Ford para ajudar na luta de vocês. A gente conhece bem a Ford e as multinacionais que se aproveitam dos trabalhadores e depois vão para outros lugares. É indispensável  a luta porque é importante para os trabalhadores do mundo. Vocês não estão sozinhos, continuem até vencer”, finalizou Elena.

O presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, que é professor, reforçou o entendimento de que a luta não é só dos metalúrgicos é de toda a classe trabalhadora.

 “Estou vendo sindicatos, centrais e parlamentares porque é uma preocupação de todos nós. O fechamento da Ford aqui em São Bernardo é um golpe contra a classe trabalhadora. A luta dos metalúrgicos da Ford é luta da classe! E a unidade é fundamental pra sairmos vitoriosos”, afirmou.

A luta e a campanha para não comprar Ford

Há uma semana em greve, os funcionários da multinacional exigem que a Ford no Brasil volte atrás sobre o fechamento da planta, anunciado na última terça- feira 19.

Os trabalhadores iniciaram uma campanha pedindo para que ninguém compre nenhum veículo da montadora até o próximo dia 7, quando representantes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC vão negociar com a matriz, nos Estados Unidos, medidas que garantam a permanência da Ford e os empregos no ABC.

Atos de solidariedade no país

No mesmo momento da assembleia em São Bernardo, os Metalúrgicos de Taubaté estavam realizando ato em solidariedade aos trabalhadores da Ford.

Também nesta terça-feira vários trabalhadores de concessionárias da Ford em Minas e no Rio Grande do Sul manifestaram repúdio nesta decisão da Ford.



Voltar para o topo