Mobilização

Trabalhar até morrer? Você decide!

Sindicato fará consulta aos bancários, entre os dias 6 e 12, sobre formas de mobilização contra a proposta, vazada pela imprensa, de reforma da Previdência. No dia 20, centrais sindicais realizam grande plenária em São Paulo

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 06/02/2019 16:31 / Atualizado em 20/02/2019 12:29

Arte: Fabiana Tamashiro/Seeb-SP

Com o início do ano legislativo, os trabalhadores têm pela frente uma grande luta: a defesa da aposentadoria. De acordo com minuta da proposta vazada pela imprensa, homens e mulheres terão idade mínima de 65 anos para a aposentadoria, não existirá mais aposentadoria por tempo de contribuição, e para se alcançar o benefício integral, o trabalhador terá de contribuir por 40 anos.

> Entenda a Previdência Social e veja o que está em risco
> Leia Folha Bancária especial sobre a Previdência Social 

Também querem introduzir a capitalização em contas individuais, modelo semelhante ao chileno, hoje alvo de grandes manifestações devido ao empobrecimento dos idosos no país.

> Ivone Silva entrevista especialista sobre previdência no Chile. Assista!
> Previdência: capitalização irá empobrecer população
> O perverso sistema previdenciário do Chile
Previdência: Chile e Japão, caminho inverso do Brasil

Consulta na base

Para impedir que a proposta seja aprovada e a aposentadoria torne-se impossível para milhões de brasileiros, e miserável para outros milhões, o Sindicato e as centrais sindicais já preparam a luta em defesa de uma Previdência, que inclui seguridade social, digna, pública, solidária e para todos. Entre os dias 6 e 12, o Sindicato percorrerá locais de trabalho para consultar bancários sobre formas de mobilização e, no dia 20, centrais sindicais realizaram assembleia naciona na praça da Sé.

20 de fevereiro: trabalhadores lotaram a Sé em protesto contra reforma da Previdência

“As pessoas vão trabalhar até morrer. Dos 96 distritos de São Paulo, 36 têm a expectativa de vida inferior a 65 anos. No caso dos bancários, sabemos que os bancos têm como prática a demissão de funcionários antigos, com salários mais altos. Imagine a dificuldade de se procurar emprego próximo da aposentadoria ou do tempo de contribuição para o benefício integral”, diz a presidenta do Sindicato, Ivone Silva.

“Ou nos mobilizamos ou trabalharemos até morrer. Os bancários nunca se furtaram da luta e, com certeza, mais uma vez estaremos nas primeiras fileiras das mobilizações em defesa da aposentadoria”, conclama.

Leia mais

> MP 871 encara trabalhador como fraudador

 



Voltar para o topo