Defesa do Consumidor

Idec: cartões de crédito lideram dúvidas financeiras em 2017

Modalidade de pagamento totaliza 25,7% dos questionamentos do segmento Serviços Financeiros; problemas relacionados à conta corrente/poupança vêm em seguida, com 23,6%

  • Publicado em 14/03/2018 14:20 / Atualizado em 14/03/2018 15:40

Foto: Marcos Santos / USP Imagens / Fotos Públicas

São Paulo – Os cartões de crédito lideram o ranking anual sobre dúvidas de consumo no segmento Serviços Financeiros registradas em 2017 pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). As questões relativas à modalidade de pagamento são 25,7% dos chamados relativos ao setor.

Entre os principais questionamentos estão as alterações unilaterais de contrato, cobrança de tarifas sem prévio conhecimento do consumidor e a contestação de juros cobrados no crédito rotativo ou no parcelamento da fatura.

No segundo lugar do ranking financeiro figuraram os problemas relacionados à conta corrente/poupança, responsáveis por 23,6% dos atendimentos. As principais reclamações tratavam de falta de informações adequadas e cobrança de tarifas bancárias em desacordo com o ofertado aos clientes.

“O consumidor está cada vez mais exposto à oferta excessiva de crédito em plataformas virtuais com contratação automática ou por assédio por correspondentes bancários, sem comparar a taxa de juros, capacidade de pagamento e riscos embutidos nas contratações. Hoje vivemos uma epidemia financeira no país com 61,2% de brasileiros endividados, de acordo com a pesquisa mensal da Confederação Nacional do Comércio”, destaca a economista do Idec Ione Amorim.

O ranking do segmento Serviços Financeiros tem em terceiro lugar empatados os questionamentos sobre Seguros e Crédito Pessoal, com 8,6% dos atendimentos. Em seguida estão Financiamento de Imóveis e Veículos (7,3%) e Investimento em Previdência Privada (6%).

O segmento Serviços Financeiros ocupa a terceira maior demanda do Instituto, com 16,7% dos chamados.Só perdem para as categorias Planos de Saúde (23,4%) e Produtos (17,8%).



Voltar para o topo