Dia Internacional da Mulher

O machismo nos bancos

Mulheres, mesmo mais qualificadas que os homens, ainda ganham menos e encontram maiores dificuldades para crescer na carreira no setor financeiro

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 07/03/2019 17:31 / Atualizado em 07/03/2019 18:43

Arte: Fabiana Tamashiro

De acordo com dados do Censo da Diversidade 2014, mesmo com mais anos de escolaridade e representando praticamente metade da categoria bancária (48,3%) e sendo a maioria no Sudeste (51,9%), as mulheres ainda ganham menos e enfrentam maiores barreiras para ascender na carreira no setor financeiro.

Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos trabalhistas

“O Censo da Diversidade é um importante instrumento para compreendermos com dados o machismo que sentimos na pele dentro do setor financeiro. A partir desse diagnóstico, o movimento sindical ganha mais fundamentos para cobrar dos bancos medidas que garantam maior equidade de gênero no setor”, diz a secretária-geral do Sindicato, Neiva Ribeiro. 

> 8 de Março: Luta por igualdade, direitos, Previdência pública e democracia
> 106 mil mulheres assassinadas em 33 anos
> Ivone Silva: 8 de Março de luta e resistência

O Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) de 2018, do Ministério da Economia, também revela a disparidade salarial entre homens e mulheres nos bancos.

“A equidade de gêneros é bandeira antiga do Sindicato. Nosso Coletivo de Gênero ganhou mais força na década de 90, garantimos a cláusula de Igualdade de Oportunidades em 2000, da qual vieram conquistas como a ampliação da licença-maternidade de quatro para seis meses e a licença-paternidade ampliada de 20 dias, condicionada a realização de curso de paternidade responsável. Já na Campanha Nacional de 2018 conquistamos o compromisso de realização de novo Censo da Diversidade. Além disso, barramos a intenção dos bancos de pagar PLR menor para bancárias em licença-maternidade. Os dados e a nossa experiência no setor mostram que há muito que avançar. Nossa luta contra o machismo tem de ser permanente”, diz Neiva.

> Seminário discutirá Previdência e saúde da mulher

No próximo dia 12 será realizada mesa temática de Igualdade de Oportunidades, a primeira do calendário de negociações com a Fenaban em 2019, na qual a representação dos bancários irá cobrar novos avanços e nenhum retrocesso.

Confira abaixo os dados que revelam como o machismo está fortemente presente no sistema financeiro:

  



Voltar para o topo