Injustiça!

Sem qualquer critério, Santander reduz PPG

Mesmo com lucro acima da meta, banco contraria o próprio discurso meritocrático e reduz bônus de parte dos trabalhadores

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 12/03/2019 18:15

Foto: Mauricio Morais

Todos os bancários e bancárias do Santander foram responsáveis, em 2018, por um excelente resultado. O lucro extrapolou a meta estipulada pela direção e o banco foi a instituição financeira que mais cresceu no país (24,6%). Diante do resultado, os trabalhadores esperavam um justo reconhecimento através do PPG (Programa Próprio Gestão).  Porém, na hora de colher os louros da vitória veio a decepção. Sem critérios claros, o Santander reduziu o valor do PPG de parte dos bancários.

 Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Santander
Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“O Santander tem todo um discurso fundamentado na meritocracia para fazer com que os seus funcionários produzam cada vez mais, muitas vezes sacrificando a própria saúde, mas na hora de valorizá-los se contradiz. Os maiores bônus, em teoria, iriam para quem produz mais. Entretanto, recebemos denúncias de que esses bancários vão receber um valor menor”, denuncia a dirigente do Sindicato e bancário do Santander, Lucimara Malaquias. 

A dirigente lembra que somente uma parte dos funcionário são elegíveis para o PPG, o que discrimina uma grande parcela dos trabalhadores, também responsáveis pelo lucro do banco. 

> Lucro do Santander cresce 24,6% em 2018

“Cobramos do Santander que apresente quais os critérios utilizados para a redução do PPG dos trabalhadores e reveja essa medida. É inadmissível que um banco com o lucro do Santander, com o seu discurso meritocrático, atue de forma tão arbitrária para cortar o bônus de parte dos seus trabalhadores. Santander, acabe com a injustiça! E, se você é um dos bancários que tiveram o PPG reduzido conte sua história para o Sindicato. Denuncie através da Central de Atendimento (3188-5200) ou por meio do WhatsApp (11 97593-7749). O anonimato é garantido”, conclui Lucimara. 
 



Voltar para o topo