Novas famílias

Inscrições abertas para nova turma de Paternidade Responsável

Bancários sindicalizados podem fazer o curso gratuitamente; aulas são um requisito para usufruir da licença ampliada de 20 dias

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 02/04/2018 14:38 / Atualizado em 17/04/2018 12:13

Foto: Freepik

São Paulo – Estão abertas as inscrições para mais uma turma do curso de Paternidade Responsável no Sindicato. As aulas acontecem de 23 a 26 de abril, das 19h às 22h, e são grátis para bancários sindicalizados.

Se você não é sócio, faça já sua sindicalização! Aproveite para ver outras vantagens de ser sindicalizado, como descontos em centenas de estabelecimentos e em cursos de CPA-10, CPA-20 e outros.

O curso de Paternidade Responsável é realizado na sede do Sindicato, na Rua São Bento, 413, centro de São Paulo. Os sindicalizados que se interessarem devem entrar em contato pelo 3188-5200, pelo whatsapp de cursos que é o 99828-3809 ou pelo site da Faculdade 28 de Agosto. Não sócios podem se inscrever e pagar o curso no valor de R$ 100 por aqui. Além disso, o bancário deverá informar a instituição em que trabalha a data prevista do parto.

> Criei um laço maior com meu filho, diz bancário após licença-paternidade

A participação é um requisito para usufruir da licença-paternidade ampliada, e a inscrição pode ser feita a qualquer momento da gestação.

Como é o curso

O primeiro dia do curso propõe uma reflexão sobre a paternidade e a maternidade no mundo contemporâneo. No dia seguinte, há uma abordagem psicológica sobre o momento na vida do pai, os desafios para a família com a chegada do novo integrante, além de pontos como depressão pós-parto e o respeito à condição biológica e psicológica da mulher.

O terceiro dia é aberto também à participação das gestantes. Aqui, os alunos aprendem a trocar fralda, colocar para dormir, alimentação e pós-mamada, entre outros assuntos que auxiliarão a desmistificar o dia a dia com o bebê.

Para encerrar, é apresentada uma discussão sobre conceitos pedagógicos novos e antigos, educação para igualdade e a função paterna nesse contexto.



Voltar para o topo