Não à reforma da Previdência

Centrais unidas no 1º de Maio, em atos por todo o país

Em ato histórico, todas as centrais sindicais estarão juntas, contra a PEC 6/2019, que vai acabar com o direito à aposentadoria de milhões de brasileiros. Em São Paulo, ato será no Vale do Anhangabaú, a partir das 10h

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 24/04/2019 10:58 / Atualizado em 02/05/2019 11:58

A precarização do mercado de trabalho causada pela reforma trabalhista, a falta de emprego que atinge 27,9 milhões de pessoas e os riscos à aposentadoria dos trabalhadores e ao sistema de seguridade social levaram a uma ação histórica: as centrais sindicais brasileiras se uniram para dizer não à reforma da Previdência e à retirada de direitos.

Sindicato quer saber sua opinião sobre a reforma da Previdência

> Previdência: 44 pontos que você precisa saber
> Calcule o seu prejuízo com a reforma da Previdência
> Reforma da Previdência é pior para mulheres

CUT, CGTB, CSB, CSP-Conlutas, CTB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo farão atos em conjunto em todo o país neste 1º de Maio (Dia dos Trabalhador), na próxima quarta-feira. Em São Paulo, o grande ato será no Vale do Anhangabaú, a partir das 10h, com shows de diversos artistas e pronunciamentos políticos.

Para governo, aposentado que recebe R$ 2.231 é rico
Previdência para militares aumenta gastos, privilégios e desigualdades

A grande mobilização (veja abaixo alguns locais confirmados em vários estados) é um passo inicial para a construção de uma greve geral contra a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro, que avançou na Câmara, com a aprovação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) - veja partidos e deputados que votaram a favor da PEC 6/2019 -, e que vai dificultar a aposentadoria para milhões de brasileiros.

> Leia tudo que publicamos sobre a reforma da Previdência

Rumo à greve geral

"As centrais estão construindo a data da greve geral. Por isso, é importante a realização de grandes atos do 1º de maio no Brasil inteiro", afirma o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, conforme informações da portal da entidade. Segundo ele, como parte da agenda as centrais já aprovaram a realização de um dia nacional de luta, em 15 de maio. Nessa data, começa a paralisação nacional dos trabalhadores na educação.

"É momento de ocupar as ruas com o maior número possível de pessoas para darmos o recado ao governo e aos parlamentares que querem acabar com a nossa aposentadoria", convoca Sérgio Nobre.

Previdência para militares aumenta gastos, privilégios e desigualdades
Reforma da Previdência é boa para quem?
Governo quer capitalização sem aporte patronal

Pressione deputados e defenda sua aposentadoria

As centrais sindicais já realizaram ações anteriores contra a PEC 6/2019. No dia 22 de março, houve protestos em todo o Brasil, e em 4 de abril um abaixo-assinado começou a circular pelas ruas, com a chancela de todas as centrais, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Banqueiros escancaram cobiça pela Previdência 
Reforma tributária ao invés de reforma da Previdência!
País perde R$ 4,6 bi ao não tributar acionistas de Itaú, Bradesco e Santander

Além da ação conjunta nas ruas e pressionando os parlamentares no Congresso Nacional, as centrais sindicais mantêm em suas páginas farto material para esclarecer os trabalhadores sobre os efeitos nocivos da reforma de Bolsonaro.

No site da CUT, um banner no alto do site dá acesso à página Reaja Agora. Lá, os trabalhadores encontram, além de muita informação sobre os reflexos da reforma na vida de cada um, vídeos, a calculadora de tempo para aposentadoria, do Dieese, e o Na Pressão, por meio do qual podem enviar mensagens aos parlamentares, cobrando que se posicionem e votem contra a reforma da Previdência.

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) também criou uma ferramenta para facilitar o envio de mensagens contra a reforma da Previdência aos parlamentares. Além disso, os cidadãos podem votar "discordo totalmemente" na consulta pública aberta pela Câmara dos Deputados sobre a PEC 6/2019.

Confira os atos nos demais estados do país (em atualização):

BAHIA

14h - 1º de maio unificado no Farol da Barra, em Salvador.

BRASÍLIA

13h – Ato do 1º de maio da classe trabalhadora no Taguaparque, com apresentações culturais de Vanessa da Mata, Odair José, Israel e Rodolffo, entre outras atrações locais.

No 1º de maio também será celebrado os 40 anos do Sindicato dos Professores de Brasília (Sinpro-DF).

CEARÁ

15h - Ato unificado na Praia de Iracema, em Fortaleza, com concentração na Avenida Beira Mar, próximo ao espigão da Rui Barbosa.

GOIÁS

14h – Concentração na Praça Cívica, em frente ao Coreto.

17h - Ato político e atividades culturais com shows e outras atrações na Praça Universitária.

MATO GROSSO

16h – Ato político e cultural, com artistas regionais, na Praça Cultural do Bairro Jardim Vitória, em Cuiabá.

MATO GROSSO DO SUL

9h às 12h – Ato unificado do 1º de maio na Rua Anacá com a Rua Barueri, bairro Moreninha II

PARAÍBA

14h – Caminhada com concentração em frente ao Centro de Zoonoses dos Bancários

17 – Ato cultural no Mercado Público de Mangabeira

PERNAMBUCO

9h - Concentração na Praça do Derby, em Recife

PIAUÍ

8h - Ato do 1º de maio na Praça da Integração, em Teresina.

RIO DE JANEIRO

9h às 14h - Ato na Praça Mauá, com barraquinhas para coleta de assinaturas do abaixo-assinado contra a reforma da Previdência, além de outras atividades organizadas pelos sindicatos e movimentos populares.

14h às 17h - Os trabalhadores e trabalhadoras sairão em bloco pelas ruas, intercalando bloco e fala política das centrais sindicais e movimentos que compõem as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

SERGIPE

8h - Concentração do ato na Praça da Juventude - Conjunto Augusto Franco. Em seguida, caminhada em direção aos Arcos da Orla de Atalaia, onde ocorrerá um ato político e cultural com coleta de assinaturas do abaixo-assinado contra a reforma da Previdência.

RIO GRANDE DO SUL

Porto Alegre

15h – Ato na Orla do Guaíba - programação completa será definida nesta terça-feira (23)

Caxias do Sul

14h – Ato nos Pavilhões da Festa da Uva

Bagé

14h – Concentração na Praça do Coreto, com aminhada pela Avenida 7 de Setembro;

Erechim

10h – Concentração no Bairro Atlântico

Passo Fundo

14h às 17h – Ato no Parque da Gare

Pelotas

14h às 18h - Ato com mateada e atividades artísticas na Praça Dom Antônio Zattera

Santa Maria

10h às 17h – Atividades com ato ecumênico, almoço coletivo, apresentações culturais, mateada, lançamento do Comitê Regional contra a Reforma da Previdência e ato público no Alto da Boa Vista, no bairro Santa Marta.

Ijuí

14h – Concentração seguida de ato na Praça Central.

Rio Grande – (a definir)

SANTA CATARINA

Florianópolis

9h30 - Debates sobre a Reforma da Previdência e atividades culturais na comunidade do Mont Serrat.

Palhoça

Debates sobre a Reforma da Previdência e atividades na ocupação Nova Esperança.

Blumenau

15h - Ato público em defesa da Previdência na Praça da Prefeitura.

SÃO PAULO (região metropolitana e inteiror)

Campinas

9h30 – Concentração no Largo do Pará com caminhada até o Largo da Catedral

10h30 – Ato no Largo da Catedral

11h – Ida ao 1º de maio em São Paulo, no Vale do Anhangabaú

*A Missa dos Trabalhadores na Catedral será das 9h às 10h30

Osasco

6h30 - 11º Desafio dos Trabalhadores, tradicional corrida e caminhada de rua do dia 1º de maio, com concentração a partir das 6h30.

São Bernardo do Campo

Ação Inter-religiosa

9h - Concentração na Rua João Basso, 231, com procissão até a Igreja da Matriz

9h30 - Missa

Sorocaba

14h às 22h - O Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) organiza um ato político-cultural no Parque dos Espanhóis, com a presença de Ana Cañas, Detonautas, Francisco El Hombre, entre outros.



Voltar para o topo