Não viu nada

Gilmar Mendes nega pedido para suspender 'reforma' da Previdência na CCJ

Aliel Machado (PSB-PR) havia entrado com mandado de segurança alegando que governo censura dados relativos a custos da alteração do regime previdenciário. Deputados se preparam para votar matéria na terça-feira 23, às 14h30

  • Rede Brasil Atual, com Redação Spbancarios
  • Publicado em 23/04/2019 12:02 / Atualizado em 23/04/2019 18:13

Ministro disse que não ficou comprovado que alteração de regime na Previdência implicaria em despesas

Foto: Divulgação/STF

O ministro Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, na segunda-feira 22, pedido do deputado federal Aliel Machado (PSB-PR) para suspender a tramitação da "reforma" da Previdência na Câmara, após o governo Bolsonaro se recusar a divulgar estudos técnicos que embasariam a proposta. Com isso, a matéria deve ir a votação na CCJ da Casa na terça-feira 23.

A reportagem é da Rede Brasil Atual.

Segundo o parlamentar, não há indicação, por parte do governo, da fonte de custeio para arcar com a transição do atual sistema de repartição para o modelo de capitalização. E a falta de informações sobre a proposta, em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara, fere os princípios de constitucionalidade, legalidade, juridicidade, regimentalidade e de técnica legislativa.

Previdência fora da Constituição é ameaça grave 

Para o ministro, não ficou comprovado que "a alteração do regime de repartição para o regime de capitalização implicaria a criação ou alteração de despesa obrigatória ou renúncia de receita". O magistrado também disse não ver "violação flagrante ao processo legislativo" no fato de o governo Bolsonaro censurar o acesso aos dados que baseiam a proposta de reforma da Previdência.

Mendes alegou ainda que a suspensão da tramitação da proposta acarretaria em "ingerência indevida" do Judiciário no processo legislativo e antecipou que a apreciação da proposta da reforma pela CCJ não impede sua posterior anulação sob fundamento de violação ao devido processo legislativo. O governo pretende votar o relatório na comissão na terça 23, em sessão prevista para começar às 14h30. 

> Previdência: 44 pontos que você precisa saber
Calcule o seu prejuízo com a reforma da Previdência
> Reforma da Previdência: trabalhar mais para ganhar menos
> Leia Folha Bancária (edição 6.182) sobre a proposta de Bolsonaro
> Leia Folha Bancária 6.180 sobre reforma da Previdência

Também na segunda-feira 22, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou ter estabelecido acordo com o secretário especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, para que os números da proposta sejam apresentados na quinta-feira 25. A oposição não aceita que os dados sejam revelados somente após a votação na CCJ, e deve votar contra o relatório do governo.  

> Reforma da Previdência torna aposentadoria pelo teto quase impossível
> Reforma da Previdência é pior para mulheres
Leia tudo que publicamos sobre a reforma da Previdência 2019

Pressione os deputados da CCJ

Se a reforma da Previdência for aprovada pela CCJ, seguirá para a análise de comissão especial e, depois, do Plenário da Câmara. 

CUT lançou o Na Pressão, ferramenta para mandar mensagens pressionando deputados para que votem contra a proposta. Utilize o Na Pressão e mobilize-se pelo seu direito à aposentadoria.Reforma da Previdência está sendo votada agora pela CCJ.

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) também criou uma ferramenta para facilitar o envio de mensagens contra a reforma da Previdência aos parlamentares. Além disso, os cidadãos ainda podem votar "discordo totalmemente" na consulta pública aberta pela Câmara dos Deputados sobre a PEC 6/2019.



Voltar para o topo