28 de Abril

Saúde do trabalhador cada vez mais ameaçada

Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho será lembrado em meio a cenário cada vez mais adverso para os trabalhadores

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 24/04/2019 11:14 / Atualizado em 26/04/2019 19:01

Arte: Freepik

Domingo 28 de abril é o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho. Neste ano, a data será lembrada em um contexto
ainda mais adverso para os trabalhadores brasileiros, por causa da reforma trabalhista e do desmonte da Previdência Social.

> Em seis anos, Brasil registrou 4,7 milhões acidentes de trabalho 

A nova lei trabalhista que entrou em vigor em novembro de 2017 legalizou a terceirização de todas as atividades laborais. Oito de cada dez acidentes de trabalho no Brasil envolvem funcionários terceirizados, de acordo com pesquisa da CUT/Dieese.

Além disso, a lei atual permite que grávidas trabalhem em atividades insalubres e não considera mais responsabilidade do empregador qualquer acidente no percurso para o trabalho.

Para tornar o cenário ainda pior, a Previdência Social sofre com um processo de desmonte cada vez mais acentuado. Desde 2016, quando Michel Temer tomou o poder, o governo federal vem anulando milhares de auxílios previdenciários e aposentadorias por invalidez.

O governo atual deu prosseguimento a essa política, e de forma mais rígida, com a edição da Medida Provisória 871/2019.

Além disso, a gestão atual extinguiu o Ministério do Trabalho, justamente a pasta responsável por fiscalizar e penalizar empresas que impõem más condições e jornadas degradantes aos seus trabalhadores.

Fim do Ministério do Trabalho é retrocesso, diz presidente da CUT
Fim do Ministério do Trabalho põe em risco direitos e fiscalização
'Pente-fino' no INSS ataca direitos e gera despesas
Centrais se preparam para combater 'nova' reforma da Previdência

E o que os bancários têm a ver com isso

Os bancos respondem por apenas 1% dos empregos no Brasil, mas foram os responsáveis por 5% do total de afastamentos por doença no país, entre 2012 e 2017. Os dados são do Ministério Público do Trabalho.

“As políticas adotadas nos últimos anos estão incapacitando o Estado de cumprir suas funções mais elementares de proteção social aos trabalhadores, que são justamente o elo mais fraco da relação capital trabalho. É urgente que a sociedade se mobilize em defesa da Previdência Social e contra a reforma idealizada pela equipe econômica do governo que irá aprofundar ainda mais
esse cenário. Pressione seu parlamentar a votar contra a reforma da Previdência e participe dos atos e manifestações contra o fim da aposentadoria”, conclama a presidenta do Sindicato, Ivone Silva.

1º de Maio Unificado

As centrais sindicais realizarão, pela primeira vez em conjunto, grandes atos no 1º de Maio (Dia dos Trabalhador) contra a reforma da Previdência. CUT, CGTB, CSB, CSP-Conlutas, CTB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT, e ainda as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo estarão unidas contra a PEC 6/2019, que dificultará a aposentadoria de milhões de brasileiros. Em São Paulo, o ato, com diversas atrações musicais, será no Vale do Anhangabaú, a partir das 10h. Venha para a rua defender a sua aposentadoria!

> Leia aqui tudo que publicamos sobre reforma da Previdência  
Sindicato quer saber sua opinião sobre a reforma da Previdência

Atendimento

Em parceria com a PUC, o Sindicato disponibiliza atendimento psicológico para bancários que sofrem de transtornos psicossomáticos. Informações (11) 3188-5270. Saiba mais.

Audiência Pública contra os retrocessos sociais

Na segunda-feira 29, será realizada Audiência Pública em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças de Trabalho – Contra os Retrocessos Sociais. Será na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), das 9h às 13h, no auditório Teotônio Vilela. 

 



Voltar para o topo