Ives Gandra Filho

Presidente do TST: indenização 'alta' estimula automutilação

Ives Gandra Filho: "Se você começa a admitir indenizações muito elevadas, o trabalhador pode acabar provocando um acidente ou deixando que aconteça porque para ele vai ser melhor"

  • Publicado em 17/05/2017 13:03 / Atualizado em 17/05/2017 17:56

Ives Gandra Filho, durante a audiência em que soltou a 'pérola'

Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

São Paulo - Nada menos do que o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra Filho, falou, em audiência pública no Senado, que indenizações contra acidentes de trabalho não podem ser "altas" porque estimularia a automutilação pelos trabalhadores para receberem os valores.

"Se você começa a admitir indenizações muito elevadas, o trabalhador pode acabar provocando um acidente ou deixando que aconteça porque para ele vai ser melhor", foram as palavras (assista abaixo) do ministro que preside a mais alta instância jurídica de defesa da Justiça nas relações trabalhistas.

Para se justificar, Ives Gandra Filho contou a história de soldados que tiravam um dedo na mão esquerda para não irem à guerra. 

O magistrado, porém, não detalhou o que seriam as tais "indenizações altas". A audiência foi na quarta 10 e tratava da reforma trabalhista.

 



Voltar para o topo