Brasil

Protestos tomam as ruas por 'Fora Temer' e 'Diretas Já'

"Com essa comprovação de que ele cometeu um crime, isso é incompatível com o exercício da presidência", disse o ator Wagner Moura, presente em ato no Rio de Janeiro

  • Rede Brasil Atual
  • Publicado em 19/05/2017 14:25 / Atualizado em 19/05/2017 14:29

Ato Na Paulista contra Michel Temer, mesmo debaixo de chuva

Foto: Lula Marques / AGPT

São Paulo – Manifestantes tomaram as ruas de diversas cidades do país para exigir que o presidente Michel Temer (PMDB) deixe o cargo. Aos gritos de 'Fora Temer', os presentes reagiram às denúncias em áudio sobre Temer autorizando a compra do silêncio de Eduardo Cunha, deputado cassado e ex-presidente da Câmara, que está preso em Curitiba. A bomba surgiu a partir da delação dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista. O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a abertura de investigação formal contra o presidente, que realizou horas antes dos protestos, na tarde de quinta 18, um pronunciamento afirmando que não renuncia. 

Temer rechaça renúncia apesar de graves denúncias
O Brasil precisa de eleições diretas gerais; e é urgente

No Rio de Janeiro, segundo matéria da Rede Brasil Atual, desde as 17h os manifestantes se concentram na Candelária. Por volta das 17h50,o ato já ocupava a Avenida Presidente Vargas. Além de palavras de ordem contra Temer, os presentes entoam em coro a reivindicação de eleições diretas Já. “O Temer tem que sair porque sempre teve que sair. Agora com essa comprovação de que ele cometeu um crime, isso é incompatível com o exercício da presidência. Agora não se trata nem mais de Fora Temer, e sim de Diretas Já”, disse o ator Wagner Moura.

> Para CUT, não há eleição legítima sem povo
'Congresso não tem moral para eleger presidente'

Pouco antes, em Recife, por volta das 16h, centenas de manifestantes realizaram um ato na praça Derby, região central da capital pernambucana.

Em São Paulo, a concentração que começou por volta das 17h ganhou corpo ocupou a Avenida Paulista, no sentido Consolação, em frente ao Masp. Os presentes exigiram eleições diretas e rechaçaram a possibilidade de que, após uma possível queda de Temer, o Congresso escolha quem deve ocupar o cargo máximo do Executivo.

A Esquina Democrática, ponto de atos políticos em Porto Alegre, recebeu, desde a manhã, uma concentração de manifestantes que exigem a saída de Temer da Presidência da República e a realização de eleições diretas ainda neste ano. Nomes conhecidos da esquerda gaúcha – entre parlamentares, políticos, líderes de sindicatos e movimentos sociais – se reuniram e discursaram para a população que passava em uma das regiões mais movimentadas da cidade.“Na época que a ditadura impunha o voto por colégio eleitoral, apenas votavam generais; tivemos aqui uma grande campanha pelas diretas com o Ulysses Guimarães”, disse a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS).

“É importante que a escolha do novo presidente seja feita pela população. Defendo eleições gerais, também para o Senado e para deputados federais. Deputados foram eleitos e a maioria participou do golpe. Eles não são legítimos. Esse governo já acabou mas ele continua lá. Fico feliz de ver em Porto Alegre uma manifestação tão bonita chamada de uma hora para outra. Fora Temer, já vai tarde”, completou a parlamentar, ao vivo do ato via redes sociais.



Voltar para o topo