Banco do Brasil

Assembleia elege delegados para Congresso do BB

Na ocasião, bancários também debateram pautas em defesa da Cassi e discutiram os impactos da deforma trabalhista de Temer

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 16/05/2018 12:39 / Atualizado em 16/05/2018 14:44

Foto: Seeb-SP

Bancários do Banco do Brasil elegeram, em assembleia na noite de terça-feira 15, os delegados que irão participar do 29º Congresso do banco. Além disso, entre outros assuntos, os participantes debateram a defesa da Cassi e discutiram os impactos da deforma trabalhista do governo ilegítimo de Temer no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do BB.

“A defesa da Cassi pautou boa parte da assembleia. Somos em defesa da solidariedade e da gestão paritária, pelo fortalecimento e ampliação da Estratégia Saúde da Família, em favor da manutenção do custeio na proporção 60% para o banco e 40% para associados, pelo fortalecimento da participação social e em defesa dos eleitos”, ressaltou João Fukunaga, diretor executivo do Sindicato e integrante da Comissão de Organização dos Empregados do BB.

Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Banco do Brasil
Seja sócio do Sindicato e fortaleça a categoria

“Nossa luta em defesa da Cassi também é contra a possibilidade de o banco passar somente para o associado o custeio do plano e questiona as resolução da CGPar 23, entre outros assuntos. Também esclarecemos que a consultoria contratada pelo BB para fazer um relatório da Cassi não é neutra e defende os interesses do banco”, acrescenta.

Congresso será em junho

O Congresso do Banco do Brasil será realizado nos dia 7 e 8 de junho. No encontro será discutida a pauta específica dos funcionários do banco público, com as reivindicações a serem entregues à direção do banco na Campanha Nacional 2018. 

Entre as reivindicações estarão a defesa dos bancos públicos e dos empregos e contra os retrocessos da reforma trabalhista de Temer e dos maus empresários, que retirou uma série de direitos históricos dos trabalhadores.

“Com a organização dos trabalhadores somos mais fortes e capazes para resistir aos ataques promovidos pelo governo Temer contra o Banco do Brasil e seus funcionários”, finaliza João Fukunaga.



Voltar para o topo