Santander

Encontro sobre Cabesp em São Paulo será dia 8 de maio

Na capital paulista, o encontro com os banespianos será realizado no auditório azul do Sindicato, às 16h

  • Afubesp, com edição de Spbancários
  • Publicado em 03/05/2018 19:01 / Atualizado em 08/05/2018 15:31

Divulgação

Os diretores da Afubesp (Associação dos Funcionários do Grupo Santander Banespa, Banesprev e Cabesp) já começaram a percorrer as cidades para levar informações sobre a proposta construída pelas associações de banespianos, sindicatos e Cabesp para solucionar o déficit operacional da caixa beneficente, que vem sendo percebido nos últimos anos.

Em São Paulo, o encontro com os banespianos será realizado no dia 8 de maio, às 16h, no auditório azul do Sindicato (Rua São Bento, 413, Centro, São Paulo). Além dos que estão na capital, estão convidados a participar os colegas da Grande São Paulo.

> Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários
> Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Santander

Saiba mais sobre o déficit

Esse déficit operacional, apontado por estudo atuarial, vem ocorrendo sistematicamente há alguns anos. Só em 2016 o valor foi de R$ 437,6 milhões.

Até algum tempo atrás, a rentabilidade das aplicações financeiras, que constituem o patrimônio da Cabesp, davam conta do recado. Mas a acentuada queda nos juros fez derrubar mensalmente a rentabilidade. Outro fator que pesa no aumento severo do déficit é o envelhecimento da massa segurada. Lembrando ainda que o plano está fechado. Ou seja, não entram novas vidas há mais de uma década.

Aliado a isso, está também a questão do índice de Variação de Custo Médico-Hospitalar (VCMH), conhecido como inflação médica, que capta oscilações, tanto da frequência de utilização quanto do preço médico, dos serviços de assistência à saúde. Ele é sempre mais elevado que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Para se ter uma ideia, em dezembro de 2015, o custo médico hospitalar bateu recorde, chegando a 19,3%, quase o dobro do IPCA, que ficou em 10,6%.



Voltar para o topo