Santander

Sindicato protesta contra assédio moral na regional Campos Elíseos

Bancários denunciaram que gestores da regional fazem cobranças e rankeamento via WhatsApp, inclusive aos finais de semana, desrespeitando a Convenção Coletiva de Trabalho e o Acordo Aditivo dos funcionários do Santander; Sindicato cobra que gestores sejam reorientados e fim da prática abusiva

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 15/05/2019 12:59 / Atualizado em 15/05/2019 15:11

Foto: Seeb-SP

O Sindicato realizou protesto contra assédio moral nesta terça-feira 14 na regional Campos Elísios do Santander. De acordo com denúncias de bancários, gestores dessa regional estariam realizando rankeamento e cobrando bancários por metas, inclusive aos finais de semana, por meio do WhatsApp. A prática configura assédio moral e desrespeita a Convenção Coletiva de Trabalho e o Acordo Aditivo dos funcionários do Santander.

“A cláusula 39 da CCT, assinada pelo Santander claramente veta tanto a exposição de ranking individual de funcionários quanto a cobrança de metas no telefone particular. Cobramos que os gestores da regional sejam reorientados e essas praticas abusivas, que configuram assédio moral, sejam de imediato interrompidas”, diz a dirigente do Sindicato e bancária do Santander, Wanessa Queiroz.

> Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

A dirigente relata que no momento do protesto acontecia uma reunião com 30 gerentes da regional. “O nosso ato foi muito bem recebido pelos bancários presentes”, comenta.

O bancário que for exposto em ranking de desempenho individual ou receber cobranças por meio do seu telefone particular, inclusive por WhatsApp, deve denunciar ao Sindicato através do canal de denúncias de assédio moral (CLIQUE AQUI). O sigilo é garantido. 

Cartão Ben

Além do protesto específico contra o assédio moral, o ato na regional Campos Elísios também fez parte da mobilização nacional contra a mudança pelo Santander da bandeira dos vales alimentação e refeição dos funcionários do banco para o Cartão Ben.

“Os funcionários estão precisando fazer uma verdadeira peregrinação para encontrar estabelecimentos que aceitem o cartão. Cobramos uma solução rápida para o problema que o próprio Santander criou pensando no próprio interesse, uma vez que o Cartão Ben é uma empresa do próprio Santander. Que façam uma força tarefa para credenciar estabelecimentos, que tenham uma proposta comercial atrativa, mas que esse problema seja resolvido com urgência. Os trabalhadores precisam comer”, diz o também dirigente do Sindicato e bancário do Santander, André Camorozano. 



Voltar para o topo