Luta

Reaja! Cruze os braços em defesa dos seus direitos!

Assembleias nos locais de trabalho, nos dias 20 e 21, vão referendar nova greve geral no fim de junho; mobilização dos trabalhadores é fundamental para barrar reformas trabalhista e previdenciária

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 16/06/2017 13:14 / Atualizado em 16/06/2017 15:23

Se trabalhadores não se mobilizarem, será o fim da aposentadoria pública e dos direitos trabalhistas

Foto: Paulo Pepe

São Paulo – A atual conjuntura política do país, na qual o governo ilegítimo de Temer impõe o desmonte da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e o fim da aposentadoria pública, com as "reformas" trabalhista e da Previdência, exige que os trabalhadores estejam mais unidos e mobilizados do que nunca, nas ruas e redes sociais, para barrar a retirada dos seus direitos, conquistados em décadas de luta.

> Quiz: Veja se você está por dentro da 'reforma' trabalhista

Para pressionar os parlamentares a não aprovarem as reformas, em defesa dos bancos públicos, pela destituição de Temer e por eleições diretas para a Presidência, Câmara e Senado, as centrais sindicais convocaram uma nova greve geral para 30 de junho, data que pode ser adiantada conforme a tramitação dos projetos que ameaçam os direitos dos trabalhadores no Congresso. Para referendar a paralisação na base do Sindicato, serão realizadas assembleias nos locais de trabalho nos dias 20 e 21.

> Greve geral é a principal arma contra reformas de Temer

“Vamos parar novamente o Brasil para que os parlamentares entendam de uma vez por todas que, se aprovarem a retirada dos nossos direitos em benefício dos setores mais ricos do país, nunca mais serão eleitos”, conclama a secretária-geral do Sindicato, Ivone Silva.

Esquenta – No dia 20 será realizado Dia Nacional de Mobilização contra as reformas da Previdência e Trabalhista. Organizado pela CUT, demais centrais sindicais e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, o protesto será nacional, com atividades por todo o país, e servirá como esquenta para a greve geral. Em São Paulo, haverá manifestação na Praça da Sé, a partir das 17h.

> Esquenta para a greve geral, por diretas e direitos

Reaja! – Além da greve geral e das mobilizações, é preciso manter a pressão sobre os parlamentares também pelo mundo digital, enviando e-mails para alertá-los de que, se votarem a favor das reformas, não serão reeleitos. A reforma da Previdência ainda está na Câmara, então mande e-mails para os deputados. A trabalhista já foi aprovada pelos deputados e agora está no Senado, então, mande e-mail para os senadores.

Pesquisa CUT-Vox Populi: 89% querem eleições diretas
Reformas trabalhista e da Previdência são rejeitadas pelos brasileiros
PEC das Diretas passa e vai a plenário no Senado
Reforma da Previdência é desumana, afirmam juízes
Reforma da Previdência: só o trabalhador pagará essa conta



Voltar para o topo