PSO

BB: Trabalhadores voltam a denunciar pressão por metas

Constrangimentos e assédio moral têm sido frequentes no Banco do Brasil; abusos devem ser reportados ao Sindicato

  • Danilo Motta, Spbancarios
  • Publicado em 13/06/2018 12:18 / Atualizado em 13/06/2018 12:19

Foto: Free Images

Bancários do BB voltam a denunciar pressão por cumprimento de metas abusivas e casos de assédio moral no segmento de Plataforma de Suporte Operacional (PSO Centro), a rede de caixas do banco na região central de São Paulo. O Sindicato já havia denunciado, em maio, a venda de produtos durante o atendimento no guichê – prática que configura acúmulo de função e apresenta riscos tanto aos trabalhadores quanto ao Banco do Brasil. Agora, funcionários voltaram a entrar em contato com o Sindicato, relatando cobranças abusivas.

Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Banco do Brasil
> Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“Nossas metas são um assunto sério, não um favor que fazemos ao banco. A empresa nos obriga a focar diariamente na oferta e venda dos nossos produtos, tanto quanto precisamos focar nas filas, na disponibilidade de atendimento, entre outras coisas. Parece que as três palavras de ordem são: foco, foco e foco”, criticou um bancário.

O Sindicato rechaça a obrigatoriedade de vender produtos durante o atendimento no guichê e pede que casos semelhantes sejam denunciados no canal da entidade. A prática vem sendo adotada pelo banco com maior frequência desde novembro do ano passado.

> Assédio moral é imoral, ilegal e adoece! Denuncie!  

“Exigimos mais respeito com o funcionário, além de novas contratações, para evitar a sobrecarga de trabalho nas agências. O caixa precisa manter o foco na segurança. Dividir sua atuação com o trabalho de vendas pode expor o trabalhador a uma série de problemas quanto à sua segurança”, ressaltou o dirigente sindical Willame Lavor.



Voltar para o topo