Valorização do emprego e renda marca gestão Artur

Balanço apresentado pela Central no 11º Concut destaca ainda apoio à Dilma Rousseff sem, no entanto, deixar de cobrar e criticar governo federal

  • Publicado em 11/07/2012 13:28

São Paulo – As principais marcas da ação cutista entre 2009 e 2012 foram, segundo o balanço apresentado no final da tarde desta terça 10 no 11º Concut, a defesa do modelo de desenvolvimento para o Brasil centrado na valorização do trabalho e distribuição de renda.

> Vídeo: Artur destaca avanços e desafios da CUT

Também destacaram-se a defesa de direitos trabalhistas, rechaçando todas as propostas de flexibilização; posição de liderança na resistência aos efeitos da crise econômica internacional sobre os trabalhadores e o resgate da concepção de liberdade e autonomia sindicais próprios à Central.

“Quando, no auge da crise, em 2009, o empresariado, a imprensa e parte de outras centrais passaram a defender redução de jornada com corte de salários e suspensão temporária de contratos para, segundo eles, impedir as demissões que viriam, quem foi às ruas para em alto e bom som bradar que os trabalhadores e trabalhadoras não iam pagar pela crise foi a CUT”, lembrou o presidente Artur Henrique, no início de sua fala, representando a Articulação Sindical.

Artur também citou o envolvimento da CUT no processo eleitoral de 2010, quando se posicionou a favor de Dilma Rousseff e contra a candidatura José Serra, que “aplicou um dos mais reacionários discursos políticos dos últimos 16 anos neste país”. Mas, segundo ele, “a CUT não se furtou às críticas necessárias ao governo, como à política econômica, ao processo de privatização dos aeroportos. Devemos lembrar também que a CUT realizou o dobro de greve nos últimos anos do que as realizadas no período FHC, segundo o Dieese”, completou, citando dados divulgados recentemente pelo SAG (Sistema de Acompanhamento de Greves) do Dieese. “Quem mais faz greve neste país é a CUT, não são as outras centrais que têm respaldo e simpatia nos meios de comunicação tradicionais, mas não têm base social”, provocou.

> Livro resgata atuação da CUT nas eras Lula e Dilma

Avanços – Entre os avanços cobrados pela Central e os movimentos sociais e conquistados no período, Artur apontou a aprovação do Plano Nacional da Educação, o Piso Nacional do Magistério; Compromissos Nacionais de Aperfeiçoamento das Condições de Trabalho na Indústria da Cana de Açúcar e da Construção Civil; avanços na saúde do trabalhador, como a criação do Fator Acidentário Previdenciário e do Nexo Técnico Previdenciário; elaboração da Convenção 189 da OIT; debate em conferências, como a Nacional de Comunicação; e grandes mobilizações. “Cito sempre a Marcha das Margaridas porque é a maior que fizemos no período”, destacou.

O dirigente Joãozinho Batista Gomes, da corrente O Trabalho, destacou a campanha nacional, que envolve plebiscito e abaixo assinado, pela ratificação da Convenção 87 da OIT (liberdade e autonomia sindicais), como “decisão acertadíssima”. Criticou, no entanto, as recentes negociações, que envolveram outras centrais, governo e entidades empresariais, para elaborar medidas de reaquecimento da atividade industrial.

O elogio à campanha por liberdade e autonomia sindicais foi unânime em todas as falas.

Rosana de Deus, representando a CSD, destacou o trabalho formativo e de filiação realizado junto à juventude. Shakespeare Martins, representando a recém-criada corrente Esquerda Popular Socialista, elogiou a combatividade da gestão e propôs, como atividade para os próximos meses, uma grande mobilização para pressionar os três poderes para atender a pauta da CUT.  Para Expedito Solaney, da corrente Articulação de Esquerda, a CUT avançou a partir da implementação do plano sindical por cada uma das secretarias nacionais da Central.

Leia mais
> Juro alto trava desenvolvimento, diz professor
> É preciso manter quebra do neoliberalismo, diz Dulci


CUT - 11/7/2012

Tags: 


Voltar para o topo