Luta

Santander: contra assédio moral, Sindicato paralisa Regional Alphaville

Funcionários do banco espanhol se queixam constantemente de metas abusivas, cobrança por WhatsApp, desrespeito, humilhações públicas e ameaças de demissão; Sindicato cobra imediata mudança de postura do gestor

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 17/07/2018 18:56 / Atualizado em 18/07/2018 13:04

Foto: Seeb-SP

Cobrança de 200% e 300% da meta, cobrança por Whatsapp, que fere acordo com o Sindicato; postura desrespeitosa em reuniões presenciais e em áudios; comparações entre trabalhadores; humilhações públicas e exposições em áudios; ameaças de transferências e demissões; alteração das prioridades o tempo todo, deixando a equipe sem foco. Esses são alguns exemplos das reclamações de bancários da Reginal Alphaville do Santander ao Sindicato.

Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Santander
> Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

Diante desse ambiente de trabalho totalmente hostil, que configura assédio moral, o Sindicato paralisou as atividades do local de trabalho na manhã da terça-feira 17.

“Os funcionários da Regional Alphaville vivem um verdadeiro inferno. Já fizemos reuniões, encaminhamos as reclamações ao banco e nada mudou na postura assediadora do gestor. Sendo assim, paralisamos as atividades da regional para apoiar seus funcionários, denunciar o assédio moral e cobrar soluções imediatas para essa situação absurda”, relata a dirigente do Sindicato e bancária do Santander Lucimara Malaquias.

“Os trabalhadores, nessa terça 17, só entraram para trabalhar após meio dia. E, caso o Santander, um banco que tem no Brasil a sua principal fonte de lucro em todo o mundo, não tome providências que resultem em uma mudança na postura do gestor, vamos intensificar ainda mais nossas atividades de protesto na Regional Alphaville. Exigimos respeito a dignidade e saúde dos trabalhadores”, conclui a dirigente.



Voltar para o topo