Filhote do Bob Jefferson

STF afasta pau mandado da Cristiane Brasil do Ministério do Trabalho

Helton Yomura é investigado por falcatruas em registros de entidades sindicais; para a Polícia Federal, ministro é um "testa de ferro" do PTB, partido que controla a pasta desde o início da gestão Temer

  • Rede Brasil Atual, com edição da Redação Spbancarios
  • Publicado em 05/07/2018 16:44 / Atualizado em 05/07/2018 17:27

HeltonYomura

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro do Trabalho, Helton Yomura, foi afastado nesta quinta-feira 5 para investigações relativas à Operação Registro Espúrio, sobre registro de entidades sindicais. Segundo a Polícia Federal, ele é um "testa de ferro" do PTB, partido que controla a pasta desde o início da gestão Temer. Neste ano, o governo conseguiu a façanha de não conseguir efetivar um ministro do Trabalho.

Desde que o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS) anunciou sua saída, no final de 2017, para se dedicar à reeleição, o Planalto acumulou fracassos para substituí-lo. À época, o nome escolhido foi da também deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha de Roberto Jefferson, após acordo entre o cacique petebista e Temer. Mas sucessivas derrotas judiciais fizeram o governo "desnomear" Cristiane, que já respondeu dois processos trabalhistas por não ter assinado a carteira de trabalho de funcionários. Em uma ação foi condenada, e na outra fez acordo.
 


Se a filha não emplacou, Jefferson manteve sua influência no ministério com Yomura. Para a polícia, ele estava lá para dar continuidade à ingerência da própria deputada e também do presidente nacional do PTB. Em nota, ele afirmou que não participou de esquema algum e disse apoiar as investigações.

Já o ministro agora afastado disse ter adotado "rigorosas providências institucionais para a garantia do interesse público", citando exoneração de servidores, sindicância interna e abertura de processos administrativos. Ele disse não ter cometido nenhum ato ilícito.

Nesta fase da operação, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete do deputado Nelson Marquezelli (SP), vice-líder do PTB e empresário do setor agrícola. "Nada a temer", declarou. Um assessor do deputado ruralista foi preso – em seu apartamento, agentes encontraram R$ 95 mil em espécie.

O único efetivo no Ministério do Trabalho foi mesmo Ronaldo Nogueira, que cumpriu a missão de efetivar a "reforma" trabalhista, aprovando no Congresso o projeto que se tornou a Lei 13.467, em vigor desde 11 de novembro. Um texto apelidado pelo governo de "modernização". A lei sofre ressalvas da Justiça do Trabalho e questionamentos da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
 



Voltar para o topo