Neste domingo

Idec debate males do Pacote Veneno na feira orgânica do dia 12

Roda de conversa terá também a participação de Paulo Magrão, especialista em hortas comunitárias da ONG Capão Cidadão. A feira, com entrada gratuita, será das 9h às 17h na regional Paulista, próximo à estação Brigadeiro do metrô

  • Elenice Santos, Spbancarios
  • Publicado em 10/08/2018 12:42 / Atualizado em 10/08/2018 16:26

Foto: Idec

Com o objetivo de passar informações e alertar a população sobre os riscos para saúde e meio ambiente, caso o Pacote Veneno seja provado pelo Congresso Nacional, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) estará presente na roda de conversa que ocorrerá na feira orgânica realizada pelo Sindicato dos Bancários em parceria com o Armazém do Campo (loja de produtos orgânicos), neste domingo 12.

O evento será das 9h às 17h, no Espaço Lélia Abramo da Regional Paulista do Sindicato (Rua Carlos Sampaio, 305, próximo do metrô Brigadeiro). A entrada é gratuita. A roda de conversa será às 15h.

Para Rafael Arantes, nutricionista do Programa de Alimentos do Idec, que participará do debate, o assunto é preocupante e o Idec e outras entidades têm se unido para tentar barrar esse projeto. Ele acredita que mesmo diante de várias campanhas contrárias, ainda é preciso levar esse assunto para espaços democráticos. 

“A aprovação do pacote veneno trará sérios riscos. Não por menos, centenas de entidades, movimentos e renomados institutos de pesquisa nacionais e internacionais posicionaram-se contrários ao pacote, somando-se às manifestações dos Ministérios da Saúde, Meio Ambiente, Justiça e de representante da Organização das Nações Unidas (ONU). O pacote passou em comissão especial e já está pronto para ser votado no plenário da Câmara, e a possibilidade dele ser votado ainda este ano é grande”, diz.

Conheça os deputados que votaram a favor do Pacote do Veneno
Fazendas de cana e café apresentam alternativas ao Pacote do Veneno

Arantes lembra que o projeto é originalmente do Senado - seu autor é o senador e atual ministro da Agricultura de Temer, Blairo Maggi -, portanto, se aprovado pela Câmara, irá direto para a sanção de Temer. “O Idec, assim como outras organizações que compõem o movimento #ChegadeAgrotóxicos, têm participado de audiências públicas na Câmara dos Deputados e Câmara Municipal de São Paulo para discutir o tema. Já organizamos seminários e outros eventos para debater e divulgar materiais da campanha para tentar informar melhor a população.”

O nutricionista destaca que na roda de conversa falará também sobre a instalação recente de comissão especial no Congresso Nacional para analisar o projeto de lei que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNaRA), além de compartilhar a experiência do site Mapa de Feiras Orgânicas.

“O Idec criou em 2012, um Mapa de Feiras Orgânicas para orientar consumidores a localizar feiras que comercializam alimentos orgânicos e agroecológicos direto do produtor, barateando os custos e aumentando o acesso a esses alimentos. Hoje, as pessoas estão buscando consumir comida de verdade, os chamados alimentos in natura ou minimamente processados, ao invés dos industrializados e ultraprocessados com alta presença de sal, gorduras, açúcar ou outros adoçantes. Além desse aspecto, também tem aumentado a procura por alimentos orgânicos e agroecológicos pelo entendimento de que estas formas de produção estão em sintonia com a preservação do meio ambiente e da sociobiodiversidade, pela não utilização de agrotóxicos e outros insumos químicos”, enfatiza.

Além de Rafael, do Idec, participará do debate o especialista em hortas comunitárias Paulo Magrão. Ele faz parte da ONG Capão Cidadão e desenvolve o Projeto Horta – Cores e Sabores.

Como será a Feira

Várias outras atrações compõem o evento. Como a apresentação do Som das Dez, às 11h, e no final do dia intervenção teatral do Grupo Arlequins com a peça O Capital, baseada na obra de Karl Marx

Feira Orgânica da Regional Paulista do Sindicato terá várias atrações

Além de alimentos orgânicos, os participantes da feira encontrarão também produtos agroecológicos e artesanatos da economia solidária de assentamentos, cooperativas e agroindústrias da reforma agrária e da agricultura familiar, todos livres de agrotóxicos.

Bancários sindicalizados terão 10% de desconto, graças ao convênio da entidade com o Armazém do Campo.

> Se você ainda não é sócio do Sindicato, faça já sua sindicalização. E aproveite para ver outras vantagens de ser sindicalizado



Voltar para o topo