MB com a Presidenta

Ao invés de prevenir, bancos omitem adoecimento

CAT deveria ser emitida pelo empregador, mas se recusam para não admitir que a doença foi causada no trabalho. CRTs e Sindicatos podem providenciar documento

  • Publicado em 15/09/2017 13:20 / Atualizado em 15/09/2017 13:57

São Paulo – “Os bancos não querem reconhecer que o trabalhador adoeceu na função. Geralmente ele não emite o CAT. O banco dá uma desculpa, ah! Tem depressão, tem síndrome do pânico, não foi o banco. Eles fogem disso porque vão contribuir mais para a Previdência. Quando é um auxílio doença comum, a empresa paga menos imposto para o estado. Quando é um acidente de trabalho, que é o B91, ele paga mais, então, ele tenta descaracterizar para pagar menos. Aqui nos bancários, a gente teve muitos casos que são assim, o bancário tinha um B91 e o banco foi lá e recorreu para converter o benefício como auxílio-doença comum. Os bancos têm recorrido quando o trabalhador consegue (provar) o acidente de trabalho que é uma coisa muito injusta né, gente”. (Antônio Alves, dirigente sindical e conselheiro do CRST Sé)

A CAT é um direito do trabalhador, pela legislação ela tem que ser feita pelo empregador, mas se o empregador se recusar, inclusive a Previdência sabe que existe a recusa, ela pode ser feita pelo setor saúde, pelo Centro de Referência, pelo Sindicato e que tem um papel importante para auxiliar na discussão do nexo junto a perícia, porque quem reconhece no final o nexo é perícia. Mas, já teve casos que o Centro de Referência deu o nexo, o INSS não reconheceu, o trabalhador ganhou na justiça o reconhecimento do nexo. Isso é para você ver a importância que tem o Centro de Referência que é o serviço especializado para fazer o diagnóstico das doenças relacionadas ao trabalho. Então, é uma grande luta que a gente tem que travar nesse sentido”. (Vinícius Figueira Boim, assistente social do CRST Lapa)

Esse termo de cooperação que o Sindicato dos Bancários faz com a Secretaria Municipal de Saúde , envolvendo os CRST’s para nos ajudar a comprovar o nexo de causalidade é um termo muito importante e que precisa ter continuidade como ser ampliado para a saúde pública, para a saúde do trabalhador com recursos do SUS. A gente precisa valorizar essas questões”. (Roberto Paulino, dirigente sindical e conselheiro do CRST Santo Amaro)

Assista aqui a edição na íntegra do Momento Bancário com a Presidenta

MB com a Presidenta – O programa de webtv vai ao ar às terças-feiras, às 18h, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube da TV dos Bancários (TVB), site do Sindicato e Facebook. Excepcionalmente esta edição foi apresentada por Neiva Ribeiro, secretária-geral da entidade. É um espaço de entrevistas, que aborda assuntos de interesse dos bancários, dos direitos dos trabalhadores e de cidadania.



Voltar para o topo