cala boca

Sindicato cobra oportunidade e valorização aos bancários do Itaú

Mudanças na premiação por tempo de serviço são apenas uma parte das desfeitas as quais os funcionários com anos de dedicação ao banco são submetidos

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 28/09/2017 18:32 / Atualizado em 28/09/2017 18:40

Arte: Freepik

São Paulo – As mudanças do Itaú na premiação por tempo de casa estão gerando muita insatisfação nos bancários. Além de ter abolido a festa anual e acabado com a entrega de ações e o relógio de ouro, agora o banco decidiu, unilateralmente, contemplar somente os bancários que completam cinco anos de casa ou múltiplos de cinco. O anúncio foi feito no dia 19 e não é retroativo.

> Itaú promove festa de desfeitas para bancários 

“O cômico desta premiação é mascarar o que realmente acontece dentro do Itaú, onde os trabalhadores não têm chance nenhuma de carreira profissional, ou seja são usados e descartados como se fossem ‘um nada’”, critica a dirigente sindical e bancária do Itaú Valeska Pincovai.

Outro agravante é a discriminação dos bancários com idade acima de 40 anos, que são considerados sem “brilho nos olhos” – palavras ditas por uma funcionária que não conseguia uma vaga de realocação porque seu PAB seria desativado. “Muitos bancários e bancárias reclamam que depois dessa idade as promoções são barradas e tudo fica mais difícil, já que são ameaçados de demissão o tempo todo”, afirma Valeska.

“Como o bancário vai ficar no banco e não envelhecer? Tudo isso é uma piada!  Chegar aos 30 anos de serviços no Itaú, então, é raridade. Ninguém atinge esse tempo porque o Itaú discrimina e demite os bancários mais antigos”, denuncia Valeska, acrescentando que a prática do banco é demitir os mais velhos de casa e substituí-los por mais novos quando ocorrem planos de redução de custos nas áreas.

“O novo modelo de premiação é um cala boca para tentar mostrar como o banco é decente e valoriza seus funcionários e para evitar que os trabalhadores acionem a Justiça cobrando as ações que eram dadas”, afirma Valeska. 

O Sindicato orienta os funcionários aposentados a ingressarem com processos cobrando as ações que eram fornecidas.   

“O Itaú tem de reconhecer seus funcionários dando oportunidades de carreira, criando um Plano de Cargos e Salários decente e implementando programas próprios de remuneração sem deixar nenhum trabalhador de fora, premiando a todos com parte dos resultados do banco de uma forma clara e justa como merecem!”, finaliza Valeska.



Voltar para o topo