Compromisso

Vila Santander decidirá sobre ampliação de direitos

Assembleia para votar acordo coletivo exclusivo dos funcionários do call center será realizada na sexta-feira 27, no próprio Vila Santander

  • Publicado em 24/10/2017 16:47 / Atualizado em 24/10/2017 19:14

São Paulo – A nova legislação que altera e extingue uma série de direitos trabalhistas entrará em vigor no dia 11 de novembro. Uma das diversas mudanças que trarão prejuízos aos trabalhadores é o fim da validade das garantias contidas nos acordos coletivos até a assinatura de um novo contrato entre sindicato e empresa.

Reforma trabalhista é incompatível com normas da OIT
> Reforma trabalhista promete caos jurídico
Assine ação civil pela revogação da Reforma Trabalhista

Em meio a essa nova realidade, os bancários do call center do Santander tem um compromisso a fim de garantir seus direitos: na sexta-feira 27, às 9h será realizada assembleia no Vila Santander para deliberar sobre o novo acordo coletivo exclusivo com validade de dois anos (até 2019).

> Receba boletim eletrônico com notícias específicas do Santander

Resultado da mobilização e organização dos trabalhadores ao lado do Sindicato, o acordo deste ano assegura avanços como períodos maiores entre as pausas break (20 minutos) e extra break (10 minutos), e redução da aderência mínima para atingir a AQO (Avaliação de Qualidade Operacional. 

> Sindicato conquista melhorias no acordo de call center do Santander

“Será a primeira vez que faremos assembleia no local de trabalho para facilitar a participação dos bancários. É fundamental o envolvimento de todos a fim de legitimar o novo acordo coletivo”, convoca o dirigente sindical e bancário do Santander André Bezerra. 

Além do acordo exclusivo para os bancários de call center, os bancários do Santander são os únicos funcionários de bancos privados do país que contam com Acordo Coletivo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) com cláusulas econômicas e sociais exclusivas, além das previstas para toda a categoria bancária na CCT.

“Nada disso veio de graça ou da bondade do Santander. Essas garantias são fruto da luta dos trabalhadores ao lado do Sindicato”, ressalta André Bezerra. 



Voltar para o topo