MENOS MÉDICOS

Ignorância do presidente eleito pode levar país a catástrofe sanitária

Thiago Silva, mestre em Saúde Pública, falou à TVT sobre saída dos médicos cubanos e desassistência de 30 milhões de brasileiros; Bolsonaro critica programa por não ter chegado “às autoridades”

  • Rede Brasil Atual
  • Publicado em 16/11/2018 16:18 / Atualizado em 16/11/2018 16:24

Cuba tem convênios para atendimento médico em mais de 60 países. Brasil está sendo o único a criar empecilho

Foto: Araquém Alcântara/Via Jornal Granma

“O Brasil com certeza sofre com essa saída. Vamos ter de fato uma catástrofe sanitária”, disse o médico Thiago Henrique Silva sobre o fim da participação de Cuba no Programa Mais Médicos, criado em 2013. Integrante da Rede Nacional de Médicos e Médicas Populares e mestre em Saúde Pública, Thiago lembrou, em entrevista à TVT, que são em torno de 8 mil médicos cubanos atuando no Brasil e que devem sair até dezembro por conta de exigências do presidente eleito, Jair Bolsonaro, que não fazem parte do contrato firmado com Cuba até o final de 2019.A reportagem é da Rede Brasil Atual.

“O que ocorre é que o Brasil tem com Cuba uma parceria de cooperação. Os países que buscam essa parceria com a Empresa Estatal Cubana de Serviços Médicos buscam porque estão precisando de uma força de trabalho extra porque a interna não dá conta de atender as pessoas", explica o especialista. Segundo ele, Cuba tem acordos de cooperação com mais de 60 países. "O único em que há esse debate da revalidação dos diplomas é o Brasil”, lamenta.

O médico relata que desde os anos 1960 Cuba prepara brigadas de solidariedade para atender catástrofes naturais e biológicas, como o ebola na África, os terremotos no Haiti, no Paquistão. “Quando outros países mandavam armas, Cuba mandava médicos para os países que estavam passando dificuldade. Cuba é referência em saúde reconhecida inclusive pelos norte-americanos. Com o relaxamento das relações entre Cuba e EUA, muitos estão procurando Cuba para fazer tratamento médico.”

Assista ao Seu Jornal de quinta

A entrevista com Thiago Silva está no ponto 17:00

O profissional, que atua como médico da família e comunidade, critica os questionamentos de Bolsonaro sobre a qualificação dos médicos cubanos. “Ele está tentando mascarar uma questão ideológica para tentar combater a qualidade técnica dos médicos cubanos. Vieram aqui doutores em cardiologia, em oftalmologia, em gastrenterologia, em medicina de família e comunidade.”

Assim como no Brasil, ele explica, há médicos com pouca experiência também. “Vieram no total, desde o início, 14 mil médicos para cá. Quando você traz 14 mil médicos vai ter médicos excelentes, medianos, médicos nem tanto. Isso acontece com a nossa força de trabalho no Brasil. Tanto é que algumas entidade médicas vêm voltando a discutir a questão do exame de ordem da Medicina. Temos um problema muito grande na formação dentro do Brasil.”

À parte qualquer possível deficiência, para ele a formação dos médicos cubanos é conceituada. “Se pegar o médico norte-americano e trazer para a realidade brasileira, colocar numa realidade como muitos cubanos estão atendendo hoje, comunidades ribeirinhas, por exemplo, não vai conseguir dar conta porque não conhece as outras complexidades. As formações são diferentes, só que a formação de Cuba é parecida com a nossa pela realidade que passou nos últimos 40 anos de avanço nos serviços de saúde. E são bem mais avançados que nós hoje em dia.” 

Bravatas do presidente eleito

Em visita nesta sexta-feira 16 ao Comando do Primeiro Distrito Naval, no Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a defender o fim do contrato com Cuba. Afirmou que nunca viu uma autoridade ser atendida por um médico cubano e que esse atendimento não deveria ser relegado aos mais pobres. 

Para Thiago, as manifestações de Bolsonaro que culminaram com o fim do contrato com Cuba tratam-se de mais uma bravata do presidente eleito que sabe que não vai recuperar a economia com a agenda do seu economista que quer combater a China, o maior parceiro comercial do Brasil.

“Ele acabou de nomear um chanceler que diz que a China é maoísta e tem de ser combatida. Você está falando da segunda maior economia do mundo, que nem Trump (Donald Trump, presidente dos EUA) tem coragem de falar uma coisa dessas. E o chanceler do Bolsonaro fala isso", diz Thiago, sobre a indicação do diplomata Ernesto Henrique Araújo para comandar o Itamaraty. Araújo é alinhado com Donald Trump e já chegou a dizer que a preocupação com mudanças climáticas e aquecimento global é coisa de comunista.

Levantar uma cortina de fumaça ideológica é o que Bolsonaro quer fazer, na opinião de Thiago. “E é essa cortina que vai fazer com que 8 mil médicos saiam daqui e 30 milhões de brasileiros fiquem sem atendimento médico.” 

Sem médicos as pessoas morrem

O mestre em Saúde Pública reforça que serão desassistidos os lugares mais pobres do Brasil. “Para ter ideia, 90% dos médicos que estão nas comunidades indígenas são cubanos.” E alerta: “Não tinha nada, absolutamente nada preparado para isso. Ele fez um esforço de que Cuba rompesse o acordo e para não ter que fazer isso em janeiro. E Cuba com razão e com integridade o fez antes de colocar seus médicos aqui a partir de janeiro em risco".

Thiago revela que o programa federal não pretendia continuar funcionando com médicos cubanos eternamente. “Tinha uma preparação de abrir vagas em faculdades de Medicina, em programas de residência médica, no interior, onde a gente pudesse fixar médicos. A programação era, em alguns anos, deixar de depender dos médicos estrangeiros e conseguir utilizar a própria força de trabalho médica brasileira. Esse era o objetivo, sempre foi. Mas essa estratégia foi desmontada após o golpe de 2016 e Bolsonaro nem sonha em colocar algo parecido.”

Para ele, o Brasil precisa de programas como o Mais Médicos já que a categoria é a única que goza de pleno emprego. “Sou médico, mas não concordo com que tenhamos uma reserva de mercado e que a gente possa ficar chantageando prefeitos, diretores de hospitais, gestores: ah, se não fizer do jeito que eu quero eu saio do serviço”, diz. “E acho um absurdo chantagear o serviço público de saúde porque quando isso acontece pessoas morrem. A gente tem de estar mais comprometido com a vida das pessoas do que com a chantagem para ter uma renda maior.”

Plano de governo privatista

Sobre o novo governo, Thiago não tem boas expectativas. “O que está colocado para o futuro do país na saúde é um avanço do setor privado de uma forma absolutamente desregulamentada. Essa é a agenda de saúde do Bolsonaro”, ressalta, lembrando que “dos míseros quatro slides que estão colocados no programa de saúde dele, a gente percebe que a única coisa concreta é a desregulamentação”.

O médico relata que a proposta do presidente eleito é de 40 anos atrás. “É o cadastramento universal de médicos, como se fazia na época do Inamps. Significa cadastrar o médico que ele manda a conta para o setor público pagar depois a partir do atendimento no seu consultório privado. Isso aí era um mar de roubalheira, um mar de fraude. O Inamps caiu por conta dessas fraudes.”



Voltar para o topo