CAPITÃES DO MATO

Defendendo os interesses do Santander, PM desrespeita mobilização

​Na sede da instituição financeira, polícia usa de truculência e de forma ilegal coagiu funcionários  a abandonarem manifestação

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 20/12/2017 15:49 / Atualizado em 20/12/2017 18:38

À direita, coronel da PM que agiu de forma ilegal ao desrespeitar o direito de mobilização sem qualquer notificação judicial

Foto: Seeb-SP

São Paulo – Na sede do Santander Brasil, onde trabalham 5 mil funcionários, a Polícia Militar protagonizou uma cena ilegal ao desrespeitar o direito de mobilização dos bancários nesta quarta-feira 20, quando foi deflagrado Dia Nacional de Luta contra a implantação de pontos da reforma trabalhista pelo banco. Sem qualquer notificação judicial, soldados comandados por um coronel usaram de truculência para coagir os funcionários a trabalharem. Veja o vídeo abaixo.

“Para a Polícia Militar ter feito o que fez, tinha que ter tido uma decisão judicial impedindo a manifestação, e ainda assim teria de ter aplicado a decisão de forma pacífica, sem jamais ter sido truculenta, ameaçando prender. E, principalmente, não poderia ter feito o papel do empregador e chamar o trabalhador para trabalhar”, afirma André Watanabe, advogado do escritório Crivelli Associados.

Apesar do episódio, a maioria dos bancários resistiu a abandonar a paralisação. Menos de 200 dos mais de 5 mil entraram. E alguns confirmaram que foram coagidos pelos gestores.  “Um absurdo ter que ficar esse tempo todo esperando aqui no sol e ainda ter que ficar ouvindo o gestor que mora aqui do lado e está em casa, mandando a gente entrar para trabalhar”, reclamou uma bancária ao entrar no prédio para trabalhar.



Voltar para o topo