Se é Público, é para Todos

Sete em cada dez brasileiros são contra privatizações

Segundo levantamento, maioria da população também crê que a venda das estatais para grupos estrangeiros traz mais prejuízos que benefícios

  • Redação Spbancarios, com informações da Folha de S. Paulo
  • Publicado em 26/12/2017 18:44 / Atualizado em 26/12/2017 18:50

Ato em defesa das estatais e dos bancos públicos realizado em outubro, no Rio de Janeiro

Foto: Francisco Proner Ramos

São Paulo – Sete em cada dez brasileiros são contra a privatização de empresas públicas, segundo pesquisa do Datafolha publicada nesta quarta-feira na Folha de S. Paulo.  A maioria (67%) da população também crê que a venda das estatais para grupos estrangeiros traz mais prejuízos que benefícios.

> Saiba mais sobre a importância dos bancos públicos para o Brasil

A oposição a privatizações predomina em praticamente todos os segmentos sociais analisados — por região, sexo, escolaridade, preferência partidária e aprovação à gestão Temer.

O movimento sindical promove ampla campanha contra a privatização das empresas públicas: Se é Público, é para Todos. Durante todo o ano de 2017, o Sindicato dos Bancários deflagrou intensa campanha em defesa dos bancos públicos com atos e audiências públicas que envolveram a população e representantes eleitos de diversas esferas de poder. 

Sindicato conquista apoio de vereadores na defesa dos bancos públicos
> Luta também é internecional: América Latina unida na defesa dos bancos públicos 

Foram realizadas audiências em ItapeviEmbu das ArtesCarapicuíbaBarueri, na Câmara Municipal de São Paulo e em Osasco. Também foi feita audiência na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

De acordo com o levantamento do Datafolha, o único cenário em que privatização  é aceita pela maioria é entre aqueles com renda superior a dez salários mínimos por mês, dos quais 55% se disseram favoráveis.

A aceitação diminui junto com a renda familiar mensal. Entre os que ganham até dois salários mínimos, apenas 13% são a favor.
Os moradores do Norte e do Nordeste são os que mais se opõem – com taxas de 78% e 76% de reprovação, respectivamente –, enquanto os do Sudeste são os que melhor aceitam a ideia: são 67% contrários e 25% a favor.

As privatizações sofrem resistência até de eleitores de partidos e políticos em geral favoráveis à venda de estatais. Entre quem aponta como partido de preferência o PSDB – que historicamente apoiou e promoveu desestatizações –, 55% se disseram contrários, e 37%, a favor.

Foram ouvidas 2.765 pessoas com margem de erro de dois pontos percentuais.

O placar é mais apertado entre os que avaliam como bom ou ótimo o governo de Michel Temer – que tem promovido uma série de projetos de privatização –, mas a maioria (51%) também se opõe.

A resistência é o principal entrave contra a venda do patrimônio público que o governo pretende executar até o fim de 2018, segundo analistas ouvidos pela Folha – a Eletrobras é a maior delas.

A privatização da Petrobras – bandeira já levantada por ministros e pré-candidatos à Presidência – também é amplamente rejeitada pela maior parte dos brasileiros: 70% se disseram contrários, e 21%, a favor. Os demais não souberam responder ou se disseram indiferentes.

Pesquisa feita pelo Datafolha em 2015 questionou: “Você é a favor ou contra a privatização da Petrobras?”. À época, 24% declararam ser favoráveis e 61%, contrários.

Uma possível participação de capital estrangeiro na Petrobras tem oposição ainda maior: 78% se disseram contra, e 15%, a favor.



Voltar para o topo