PREVIDÊNCIA

Setor de transportes em SP aprova paralisação contra reforma

Plenária de sindicatos ligados a diversas centrais decidiu pela paralisação se governo pôr a proposta em pauta

  • Vitor Nuzzi, da RBA
  • Publicado em 12/12/2017 17:01 / Atualizado em 12/12/2017 17:20

Paralisação na terça da semana que vem foi aprovada em caso de haver votação da proposta de "reforma" da Previdência

Foto: Roberto Parizotti/CUT

São Paulo – Trabalhadores no setor de transportes no estado de São Paulo, ligados a diversas centrais sindicais, aprovaram na tarde de segunda-feira 11, em plenária, paralisação na terça-feira da semana que vem, dia 19, caso o governo de fato ponha em votação da proposta de "reforma" da Previdência. "Se colocar para votar esse massacre à classe trabalhadora, São Paulo vai parar. Precisamos ter unidade na luta", afirmou o presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano da capital paulista (filiado à UGT), Valdevan Noventa, anfitrião do encontro. A reportagem é da RBA.

Participaram dirigentes de sindicatos de rodoviários do ABC, Guarulhos e Osasco, na região metropolitana, além de Santos, na Baixada, e Sorocaba, no interior do estado, entre outros. Também estavam presentes representantes do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que fará assembleia na próxima quinta 14, com indicativo de acompanhar a decisão tomada na plenária. No mesmo dia, pela manhã, as centrais voltarão a se reunir, na sede da CUT.

> Pela Previdência, trabalhadores farão ato em frente ao INSS no dia 13
> Reforma da Previdência envolta em injustiças e desinformação
> CUT e centrais deflagram estado de greve 
> Vagner convoca para greve contra reforma da Previdência
> Mande mensagem pressionando os deputados pelo Na Pressão

"Eles querem desmontar o sistema", disse o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, reafirmando que o governo, ainda sem o número de votos necessário, pode pôr o tema em votação a qualquer momento, cabendo aos trabalhadores se mobilizar para evitar a "tragédia" representada pela proposta. "Nós vamos para a guerra no momento em que eles puserem para votar. Enquanto isso, temos de pressionar", acrescentou, considerando o setor de transportes estratégico – e que, por isso, precisa da solidariedade de todo o movimento sindical. Sindicatos desse segmento costumam ser punidos pela Justiça em momentos de greve.

O presidente da CTB, Adilson Araújo, lembrou que o governo "está fazendo de tudo" para votar no dia 19. "Eles têm de complementar o golpe do capital contra o trabalho. É exatamente o desmonte da Previdência que vai promover um profundo desequilíbrio social no país. Essa questão mobiliza a sociedade."

"Tem de parar antes de votar. É tudo ou nada", afirmou o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Osasco e Região, Antônio Alves Filho. "Pode ser o dia que for, Guarulhos e Arujá vão parar", reforçou o secretário-geral do sindicato da região, Wagner Menezes, o Marrom.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística da CUT e do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região, Paulo João Eustasia, o Paulinho, disse que o governo e sua base estão decididos a votar e, assim, as centrais precisam estar com o discurso afinado. Ele foi um dos que defenderam a marcação de uma data de paralisação para já notificar as empresas e manter "todo mundo em exercício de guerra".

O presidente da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado de São Paulo (Força Sindical), Valdir de Souza Pestana, destacou que a entidade, com 78 filiados, iria se reunir nesta terça-feira 12, mas adiantou que na Baixada Santista haverá paralisação.

Também participaram da plenária dirigentes da UGT, Nova Central, CGTB e CSP-Conlutas.



Voltar para o topo