Bradesco

Cidade de Deus elegerá nova Cipa nos dias 18 e 19

Sindicato apoia os candidatos Lucineide (Luci) Moura, número 15, e Geraldo Serrano, número 10; se eleitos, eles terão o dever de atuar em defesa dos interesses e necessidades dos trabalhadores

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 06/12/2018 18:07

Os funcionários lotados na Cidade de Deus, concentração com mais de 10 mil funcionários do Bradesco em Osasco, elegerão nos dias 18 e 19 de dezembro sua nova Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). O Sindicato apoia os candidatos Lucineide (Luci) Moura, número 15, e Geraldo Serrano, número 10, ambos do Departamento de Operações Centralizadas (DOC). Se eleitos, eles terão o dever de atuar em defesa dos interesses e necessidades dos bancários e por melhores condições de trabalho.

A votação, em cédula de papel, tem início às 22h do dia 18 e vai até as 18h do dia 19. Os trabalhadores podem votar somente em um candidato.

O que é a Cipa

A Cipa tem mandato de um ano e é constituída por representantes indicados pelo banco e pelos trabalhadores. A comissão tem o objetivo de cobrar do Bradesco melhorias no ambiente e nas condições de trabalho, visando à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, além de zelar pela saúde do trabalhador.

São atribuições dos cipeiros, entre outras, esclarecer e conscientizar sobre a gravidade das doenças ocupacionais e lutar por Programa de Prevenção às LER/Dort; fiscalizar o cumprimento das normas de segurança e da Medicina do Trabalho; buscar, junto ao Sindicato, a ampliação dos direitos dos trabalhadores; realizar semanas internas de prevenção de acidentes, nas quais sejam discutidas questões de saúde e relativas às condições de segurança no trabalho; e informar e esclarecer os funcionários sobre os riscos à saúde e à segurança no ambiente de trabalho.

Conquistas dos trabalhadores

Uma das conquistas de representantes da Cipa apoiados pelo Sindicato e trabalhadores junto ao Bradesco, após mais de 25 anos de reivindicações e luta, foi a ambulância e o ambulatório na Cidade de Deus, no fim do ano passado. Antes, quando um funcionário precisava de atendimento médico com urgência era necessário “respeitar” o procedimento burocrático do banco, que solicitava a ambulância ao Hospital Sino Brasileiro, localizado a quase três quilômetros do local. A espera, todavia, algumas vezes foi fatal.

Além disso, cipeiros apoiados pelo Sindicato foram fundamentais na ação judicial que determinou o pagamento do adicional de periculosidade e reflexos nas demais verbas trabalhistas para funcionários que trabalharam entre 2010 e 2016 nos prédios Prata e Cinza da Cidade de Deus.

Também na matriz do Bradesco, Sindicato e o representante da Cipa conquistaram recentemente a reintegração de uma bancária demitida durante tratamento médico de enfermidade grave.



Voltar para o topo