Contra Privatizações

Hoje é Dia Nacional de Luta em Defesa dos Bancos Públicos!

Diante das ameaças privatistas que prejudicam a população e aos direitos e empregos dos trabalhadores, bancários realizam protestos em frente à Super do BB, na Avenida Paulista, no Cenesp e nas agências da Caixa em Jardim Camargo Novo e Vila Joaniza

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 06/12/2018 12:25 / Atualizado em 06/12/2018 19:47

Na Avenida Paulista, em frente à Super do BB, bancários distribuíram alimentos da agricultura familiar para a população

Foto: Seeb-SP

Nesta quinta-feira 6, Dia Nacional em Defesa dos Bancos Públicos, bancários da base do Sindicato realizaram protestos contra as ameaças privatistas - inclusive com indicações de nomes ultraliberais para as presidências de BB e Caixa no próximo governo -  e contra os ataques aos direitos e empregos dos trabalhadores dessas instituições. As manifestações aconteceram em frente à Super do BB, na Avenida Paulista, no Cenesp (Centro Empresarial de São Paulo) e nas agências da Caixa em Jardim Camargo Novo e Vila Joaniza.

Na Paulista, dirigentes sindicais distribuíram material informativo e alimentos da agricultura familiar à população. O BB é responsável por 70% da carteira de crédito agrícola do país. Enfraquecer o banco público é o mesmo que encarecer a comida que chega à mesa dos brasileiros. Já no Cenesp, houve reuniões com os funcionários.

“Estamos empenhados nacionalmente nesta campanha em defesa dos bancos públicos. Na agricultura familiar, o pequeno e médio agricultor depende de crédito do Banco do Brasil”, afirma o dirigente sindical Antonio Saboia, secretário de bancos públicos da Fetec-SP.

Já as agências Jardim Camargo Novo e Vila Joaniza, localizadas respectivamente no extremo-leste e extremo-sul da capital paulista, seriam fechadas há um ano pela direção da Caixa. Contudo, a mobilização e luta unificada de bancários, moradores e clientes fizeram com que elas permanecessem abertas. Ambas são fundamentais para o desenvolvimento local e também econômico e social do país. A Caixa, por exemplo, chegou a ser responsável por mais de 70% dos financiamentos habitacionais no Brasil.

“Com a indicação do Pedro Guimarães para a presidência da Caixa no próximo governo, o futuro do banco público é incerto e a ameaça de fechamento destas duas agências prevalece. Contamos mais uma vez com os empregados e a população na luta contra a privatização da Caixa”, diz o dirigente sindical e empregado da Caixa Danilo Perez.

Função social

Caixa e BB juntos possuem 37,4% das agências bancárias do país e estão presentes em municípios e regiões periféricas, como é o caso da Vila Joaniza e Jardim Camargo Novo, em que os bancos privados não possuem interesse de atuar. Entretanto, de 2015 a 2017, a direção do Banco do Brasil fechou 777 agências. Já a direção da Caixa, por sua vez, cortou 12.791 postos de trabalho desde 2015.



Voltar para o topo