Economia

 

A movimentação de indicadores econômicos afetam diretamente a vida do trabalhador brasileiro. Neste sentido, o Sindicato oferece nesta página informações sobre inflação, taxa Selic, juros bancários, dentre outros.

Inflação

Há diversos índices medidos pelo governo federal e instituições privadas. Aqui, em destaque, IPCA, INPC e ICV.

INPC e IPCA

O INPC e o IPCA são índices de preços ao consumidor calculados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados pequisados em estabelecimentos comerciais e prestação de serviços, concessionárias de serviços públicos e domicílios (aluguel e condomínio).

O período de coleta estende-se dos dias 1º a 30 de cada mês.

O INPC abrange famílias com rendimentos mensais entre um e cinco salários mínimos, assalariados e residentes em áreas urbanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Vitória e Porto Alegre, Brasília e municípios de Goiânia e Campo Grande.

O IPCA abrange famílias com rendimentos mensais compreendidos entre um e 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos, e residentes também nas áreas urbanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Vitória e Porto Alegre, Brasília e municípios de Goiânia e Campo Grande. É o índice oficial de inflação do país.

> Saiba mais sobre o IPCA e INPC

ICV

Elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), mede a variação do custo de vida das famílias com renda de um a 30 salários mínimos do município de São Paulo.

É calculado em três extratos distintos: Extrato 1 - Famílias com menor renda, um a três salários mínimos (1/3); Extrato 2 - Famílias com renda intermediária, um a cinco salários mínimos (1/3); Extrato 3 - Famílias de maior poder aquisitivo, um a 30 salários mínimos (1/3).

> Saiba mais sobre o ICV

Taxa Selic

É a taxa de juros básica da economia brasileira. Serve de referência para os bancos definirem os juros cobrados em linhas de crédito como empréstimo pessoal, cheque especial e rotativo do cartão de crédito, e a remuneração de algumas aplicações financeiras feitas pelos clientes.

É usada em empréstimos entre bancos e aplicações feitas por eles em títulos públicos federais.

O índice da Selic é definido a cada 45 dias pelo Comitê de Políticas Monetárias (Copom), composto pelo presidente do Banco Central do Brasil e integrantes da sua Diretoria Colegiada.

> Veja o histórico de índices da Taxa Selic

 

Juros Bancários

É o percentual cobrado por uma instituição financeira para oferecer crédito a pessoas físicas e jurídicas nos mais diversos campos de atuação. Os mais comuns são do cheque especial, empréstimo pessoal e cartão de crédito. Mas há também outras linhas muito usadas, como crédito imobiliário, consignado, para aquisição de veículos, microcrédito, dentre outros.

A cobrança de juros é livre, ou seja, não sofre interferência direta dos governos, sendo regulada apenas pelo mercado. Sua principal referência é a taxa Selic, definida pelo Comitê de Políticas Monetárias do Brasil, o Copom.

> Saiba mais sobre as modalidades de crédito no Brasil

Spread Bancário

Quem deposita dinheiro no banco, em poupança ou outra aplicação, faz um empréstimo à instituição, que paga uma taxa de juros por esse dinheiro. Da mesma forma, quando o banco empresta dinheiro, cobra uma taxa de juros por isso. A diferença entre as duas taxas é o chamado spread bancário.

Ou seja, é a diferença entre o quanto banco paga ao captar e o quanto ele cobra do consumidor final na operação de crédito. Além desse "lucro", os bancos também embutem no spread, impostos, taxas administrativas e previsões de inadimplência.

O valor varia de acordo com cada operação, dependendo dos riscos envolvidos e, normalmente, é mais alto para pessoas físicas do que para empresas.

O Brasil é famoso por ter um dos maiores spreads bancários do mundo.
 

Cesta Básica do Dieese

A pesquisa da Cesta Básica Nacional é realizada pelo Dieese em dezoito capitais do Brasil e acompanha mensalmente a evolução de preços de treze produtos de alimentação, assim como o gasto mensal que um trabalhador teria para comprá-los.

As capitais pesquisadas são São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Vitória, Brasília, Florianópolis, Belo Horizonte, Goiânia, Aracaju, Natal, Fortaleza, Belém, Salvador, Campo Grande, João Pessoa, Manaus e Recife.

Outro dado importante da pesquisa são as horas de trabalho necessárias ao indivíduo que ganha salário mínimo, para adquirir esses bens.

Além disso, o Dieese calcula o salário mínimo necessário, também divulgado mensalmente, com base no custo mensal com alimentação obtido na pesquisa da cesta básica. Segundo o Decreto Lei nº 399, de 14 de janeiro de 1936, o salário mínimo deveria ser a remuneração devida ao trabalhador capaz de satisfazer suas necessidades normais de alimentação, habitação, vestuário, higiente e transporte.

> Os resultados das pesquisas do Dieese

Taxas de Câmbio

Taxa de câmbio é o preço de uma moeda estrangeira medido em reais. Assim, quando dizemos, por exemplo, que a taxa de câmbio é 1,80, significa que um dólar dos Estados Unidos custa R$ 1,80.

As cotações apresentam taxas para a compra e para a venda da moeda, tendo como referência o agente autorizado pelo Banco Central a operar no mercado de câmbio. Ou seja, quando dizemos que o câmbio do dólar está R$ 1,80 para venda, siginifica que o operador vende US$ 1 a esse preço. Se dissermos que está R$ 1,50 para compra, por exemplo, o operador está comprando US$ 1 por R$ 1,50.

As taxas no mercado de câmbio brasileiro são livremente negociadas entre agentes e clientes, sem interferência direta do governo nos preços praticados. A taxa divulgada pelo Banco Central serve como referência, não sendo obrigatória.

Existem dois termos usados no mercado de moedas: o "câmbio turismo" e o "câmbio comercial".

A expressão "câmbio turismo" é utilizada para classificar compra e venda de moeda para viagens internacionais, geralmente em espécie. O "câmbio comercial" é usado em operações realizadas no mercado de câmbio, tais como: exportação, importação, transferências financeiras etc. Essas expressões são usadas mesmo quando as operações são realizadas em outras moedas estrangeiras.

Além do nome diferente podem ter taxas distintas, já que as operações têm características próprias, de acordo com a natureza de cada uma, com custos administrativos e financeiros também diversos. As taxas divulgadas pelo BC para referência normalmente são médias delas.

O mercado paralelo é ilegal, sujeitando seus participantes a penalidades.

> Clique aqui para saber mais detalhes sobre câmbio
> Clique aqui para ver cotações, fazer conversões etc.
 

Emprego

Caged

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, Caged, é o registro mensal de admissões e dispensa de empregados sob o regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Baseia-se em dados repassados pelos empregadores ao governo por meio da Rais (Relação Anual de Informações Sociais).

Serve como base para estudos, programas e decisões governamentais ligados ao mercado de trabalho. Também é utilizado como suporte ao pagamento do seguro-desemprego, à reciclagem profissional e à recolocação do trabalhador.

> Saiba mais sobre o Caged

Pesquisa Mensal de Emprego - IBGE

A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), organizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, produz indicadores do mercado de trabalho das regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

Levanta informações referentes à condição de atividade, ocupação, rendimento médio nominal e real, posição na ocupação, posse de carteira de trabalho assinada, entre outras, tendo como unidade de coleta os domicílios.

> Saiba mais sobre a PME


Pesquisa de Emprego e Desemprego - Dieese/Seade

A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) é um levantamento domiciliar realizado mensalmente em convênio entre o Dieese e a Fundação Seade. Abrange as regiões metropolitanas de São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza e do Distrito Federal.

> Saiba mais sobre o PED

 


 

 
 
Copyright © 2011 - Sindicato dos Bancários. Todos os direitos reservados.