Assessoria
Assessoria

Trabalhadores se mobilizam contra o desmonte da Caixa

Ato acontece na única agência da Caixa no bairro de Jardim Camargo Novo, prevista para fechar este ano

  • Publicado em 20/10/2017 13:37

Trabalhadores participam nesta segunda-feira (23) de mobilização contra o desmonte da Caixa e dos bancos públicos, a partir das 10h. O ato acontece na única agência da Caixa localizada no Jardim Camargo Novo (Avenida Academia de São Paulo, 310), na zona Leste de São Paulo, com previsão para fechar ainda este ano.  

“Faremos um ato em frente a uma das 100 agências previstas para fechar ainda este ano somente no município de São Paulo. O desmonte dos bancos públicos já é uma realidade. No país, em um ano, o Banco do Brasil fechou mais de dez mil postos de trabalho, o que representa aumento de 269% em relação ao mesmo período do ano anterior. A Caixa reduziu em 5.486 o número de postos de trabalho no mesmo período, com aumento de 145% em relação ao ano passado”, disse Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região.

“Somente a agência da Caixa de Jardim Camargo realizou R$ 30,6 milhões em operação de crédito, no crédito habitacional foram investidos R$ 23,4 milhões e na poupança R$ 16,6 milhões, dados deste mês, uma amostra da importância de um banco público para o desenvolvimento do país”, disse Dionisio Reis, dirigente do Sindicato e funcionário da Caixa.

 

Ato – Na última quarta-feira (18) um ato público foi realizado na Câmara Municipal de São Paulo, em defesa dos bancos públicos. No mesmo dia, em Brasília, a mobilização dos trabalhadores foi essencial para adiar a votação que altera o estatuto da Caixa. O governo prevê alterações polêmicas propostas para mudanças que interferem no direito dos trabalhadores e uma transformação substancial, fazendo com que a instituição se torne sociedade anônima - S/A. O assunto deverá retornar à pauta do CA no próximo mês.

"O governo quer tornar a Caixa uma empresa S/A e depois abrir o capital do banco, com a consequência imediata de perda do papel de gestor dos mais importantes programas sociais do País", afirma Ivone Silva.



Últimas notícias

Voltar para o topo