Greve Cresce

Greve dos servidores de SP chega ao quinto dia e pode ficar ainda maior

Trabalhadores reivindicam, principalmente, a revogação da Lei de Teforma da Previdência que aumentou a contribuição previdenciária, considerada pelos servidores “um confisco salarial”

  • Érica Aragão, da CUT, edição da Redação Spbancarios
  • Publicado em 08/02/2019 12:35 / Atualizado em 08/02/2019 12:40

Foto: Roberto Parizotti/CUT

Contra o confisco de salários, mais de 50 mil servidores públicos municipais decidiram manter a greve, que completa cinco dias na sexta-feira 8. A decisão foi tomada na assembleia da categoria, realizada na quinta-feira 7, em frente ao prédio da Prefeitura de São Paulo, no centro da capital paulista.

A reportagem é do Portal CUT.

Vigilantes sanitários, professores, médicos, assistentes sociais,  entre outros trabalhadores do serviço público de São Paulo, reivindicam a revogação da Lei das Reforma da Previdência (Lei nº 17.020/18) , que aumentou a contribuição previdenciária de 11% para 14%, estabeleceu o mesmo teto de benefícios de aposentadoria do Regime Geral de Previdência Social (R$ R$ 5.882,93 em 2019) e criou um sistema previdenciário de capitalização para os servidores que ingressarem no funcionalismo – o Sampaprev. 

Sancionada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB-SP), a Lei que foi aprovada por 33 vereadores liderados por Milton Leite (DEM) a toque de caixa nos últimos dias de 2018, é considerada um verdadeiro confisco de salários pelos servidores públicos de São Paulo.

A diretora do Sindicato dos Médicos de SP, Juliana Salles, que também é membro da Executiva Nacional da CUT, gritou em alto bom som em direção às janelas da Prefeitura: “Não vamos tolerar que nosso direito à previdência seja retirado nem no município de São Paulo nem no Brasil”.

“Vamos morrer trabalhando! É impossível homens e mulheres trabalharem até 65 anos e, se quiserem receber o benefício completo trabalhar 40 anos direto, como quer o governo Bolsonaro,” disse Juliana se referindo a Proposta de Emenda Constitucional – PEC da reforma da Previdência, que o governo de extrema direita deve encaminhar ao Congresso Nacional até o fim deste mês.

“A nossa luta é pela dignidade”.

O presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, concorda com a dirigente. Ele diz que esse ataque aos servidores na capital paulista é um ensaio para aprovar a reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

“Nós temos a compreensão do que significa a luta dos trabalhadores da cidade de São Paulo. Ela é estratégica para evitar a implementação dessa atrocidade no resto do Estado e no Brasil”.

“E para nós é estratégico nos unirmos e derrotarmos esse projeto que só prejudica os trabalhadores e a população”, disse Douglas, que complementou: “A CUT tirou uma resolução de apoio aos servidores e todos os sindicatos filiados à Central, com base em SP, estão junto na luta”.

A luta

O Fórum das Entidades Sindicais do Sistema de Negociação Permanente, entre elas o Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (SINDSEP), está pedindo uma revisão geral salarial de 10% para os servidores ativos, aposentados e pensionistas, a valorização dos serviços públicos e dos servidores públicos e o incentivo para o desenvolvimento dos profissionais.

“A população precisa estar esclarecida que há mais de 20 anos a prefeitura aplica uma reposição da inflação a qual todo mundo tem direito, de 0,01%. Isso significa que todo ano nós temos perda de poder aquisitivo. Então aqui ninguém tá lutando pra ter benefícios, pra ter regalia. Nós estamos lutando pra ter o mínimo de dignidade e ter o direito de aposentadoria segurado”, disse Thiago Cavalo.

A professora Elisabete Maciel disse que é um absurdo as mentiras que o prefeito e um segmento da mídia vêm dizendo sobre os servidores. “Eles estão tentando manipular a população contra nós dizendo que os servidores têm privilégios e ganham mais de 10 mil reais. É uma mentira!”.

“Eles deveriam tirar os privilégios deles, que têm salários de mais de 30 mil, com auxílio moradia e a gente não tem auxílio algum, pelo contrário. Eu tenho é muito desconto no meu salário! Esse governo é superinjusto e eu só vou conseguir revogar esses 14% na rua, lutando!”, finalizou a professora Elisabete.

Várias reuniões entre o movimento grevista, o prefeito e seus representantes já foram canceladas e a justificativa é que eles estão atendendo a população. “E nós somos o que?”, questionou o presidente do SINDSEP, Sérgio Ricardo Antiqueira. “Nós queremos ser ouvidos e dizer que o que fizeram em SP é um atentado contra os direitos”, reforçou Sérgio.

Para colocar medo nos servidores, segundo o presidente do SINDSEP, o prefeito Bruno Covas implantou um sistema de delação na Prefeitura e está pedindo para que os trabalhadores que não aderiram à greve anotem os nomes dos colegas e entreguem a ele. “Esse tipo de ação é pra colocar medo nos trabalhadores e ele [o prefeito] achou que isso ia enfraquecer o movimento, muito pelo contrário disse ele”.

Segundo Sérgio, no dia 4, o movimento tinha 20 mil pessoas e hoje mais que dobrou. “Vamos sair daqui mais fortes ainda. Vai ter que atender os servidores que estão aqui pra lutar! Toda vez que não atende, o movimento cresce. Na próxima assembleia, dia 13, vai ficar maior ainda”, afirmou.

Logo após a assembleia, os servidores foram em caminhada pelo largo São Francisco, Brigadeiro Faria Lima até a Avenida Paulista, em frente ao MASP.

Todo dia é dia de luta 

A próxima assembleia será na quarta-feira 13, na frente da Prefeitura, às 14 horas. Mas, segundo o SINDSEP, até lá os servidores vão continuar a mobilização para ampliar o movimento.

Já na sexta-feira 8, terá atos por toda a cidade para denunciar as intenções da Prefeitura de SP e do governo federal, de aprovar uma reforma geral da previdência que ameaça a aposentadoria de todo o povo.

Confira os atos regionais convocados pelo SINDSEP, outros sindicatos e comandos regionais.

Butantã 17h - estação Butantã do Metrô

Cachoeirinha 8h -Terminal cachoeirinha 

Centro 13h - Estação Vergueiro, Centro Cultural São Paulo

Guaianases 10h - estação nova de trem 

Jabaquara 7h - Terminal Jabaquara  

M'boi 9h - Estrada do Mboi Mirim, 4300

Parelheiros 17h - Terminal Parelheiros 

Santana 14h - Estação Santana do Metrô

São Mateus 16h - Largo de São Mateus 

São Miguel 11h - Praça da Paz com caminhada até Prefeitura Regional



Voltar para o topo