Indústria automobilística

Metalúrgicos da Ford entram em greve contra fechamento de fábrica no ABC

Planta que responde pela fabricação de caminhões e do veículo compacto Fiesta emprega 3.200 funcionários, que devem ser demitidos. Impacto na cadeia do setor pode 'custar' outros 10 mil empregos

  • CUT, com informações da RBA
  • Publicado em 19/02/2019 18:52 / Atualizado em 20/02/2019 10:13

Assembleia dos trabalhadores e trabalhadoras da Ford, em São Bernardo do Campo

Foto: Reprodução

Em assembleia realizada nesta terça-feira 19, os metalúrgicos e metalúrgicas da Ford decidiram entrar em greve imediatamente contra o anúncio inesperado de fechamento, em novembro deste ano, da fábrica que produz caminhões em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Uma nova assembleia para encaminhar os próximos passos da luta ocorrerá na próxima terça-feira 26. A reportagem é da CUT.

"Nós lutamos, fizemos de tudo para que isso não ocorresse. E não dá para ter uma notícia dessa e achar que dá para continuar trabalhando. Precisamos ir todos para a casa e retornar na semana que vem. Até lá é greve", disse José Quixabeira de Anchieta, coordenador-geral do Comitê Sindical na Ford.

Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, o Wagnão, a notícia foi recebida com indignação e revolta. "Em janeiro fizemos uma assembleia na portaria da fábrica, decretamos o estado de luta e pedimos que uma reunião acontecesse para que a Ford deixasse claro qual era a sua real intenção em relação à planta de São Bernardo do Campo".

"E hoje nos deparamos com o anúncio de que ela encerrará as suas atividades ainda este ano. Anúncio este que não considera cada trabalhador e trabalhadora direto ou indireto, aqueles que serão atingidos diretamente por uma empresa que quer visar o lucro somente", critica Wagnão.

“Se a Ford tem essa intenção, ela há de pagar pela decisão que está tomando. Não acha que vai desistir do Brasil e dos seus trabalhadores dessa forma e continuar vendendo tranquilamente no nosso mercado”, diz Wagner Santana.
“Nós não desistimos de que essa planta se mantenha aqui na região. Nós não aceitamos esse anúncio. E vamos fazer a luta necessária para reverter essa decisão", acrescenta.

O anúncio

Em nota, a montadora alega que a crise econômica inviabiliza a continuidade da produção na cidade. Com a decisão, cerca de 3.200 funcionários diretos e cerca de mil terceirizados serão demitidos. A decisão foi tomada na sede dos Estados Unidos e comunicada nesta terça 19 à unidade de São Bernardo. Sindicalistas estão reunidos para definir o que fazer na tentativa de evitar o fechamento da fábrica.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os modelos de carros mais novos estão sendo produzidos na unidade de Camaçari, na Bahia. Assim, a fábrica de São Bernardo ficou com parte de sua capacidade ociosa. O que poderia ser resolvido com a produção de um novo modelo na planta, o que estava em processo de negociação.

Segundo acordo coletivo de 2017 haveria período de negociação para a retomada dos investimentos pela Ford São Bernardo. Mas, desde então, não houve nada efetivo por parte da direção.

De lá para cá, cerca de mil funcionários saíram por meio de PDV. Desde janeiro deste ano, os metalúrgicos começaram a realizar assembleias internas para cobrar da direção da montadora a retomada de investimentos na unidade de São Bernardo do Campo, planta que responde pela fabricação de caminhões e do veículo compacto Fiesta e emprega 3.200 funcionários, que devem ser demitidos. Impacto na cadeia do setor pode 'custar' também 10 mil empregos

A visão da empresa

Em nota, a empresa disse que deixará de comercializar as linhas de caminhões Cargo, F-4000, F-350 e do compacto Fiesta assim que terminarem os estoques. "A Ford está comprometida com a América do Sul por meio da construção de um negócio rentável e sustentável, fortalecendo a oferta de produtos, criando experiências positivas para nossos consumidores e atuando com um modelo de negócios mais ágil, compacto e eficiente", disse Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul.

Ainda segundo a empresa, a decisão de deixar o mercado de caminhões foi tomada após vários meses de busca por alternativas, que incluíram a possibilidade de parcerias e venda da operação. E que a manutenção do negócio teria exigido um volume expressivo de investimentos para atender às necessidades do mercado e aos crescentes custos com itens regulatórios sem, no entanto, apresentar um caminho viável para um negócio lucrativo e sustentável.

"Sabemos que essa decisão terá um impacto significativo sobre os nossos funcionários de São Bernardo do Campo e, por isso, trabalharemos com todos os nossos parceiros nos próximos passos", disse Watters. "Atuando em conjunto com concessionários e fornecedores, a Ford manterá o apoio integral aos consumidores no que se refere a garantias, peças e assistência técnica."
 



Voltar para o topo