Corporativistas

Ministros do STJ votam a favor de operadoras de saúde, diz estudo

Primeiro Anuário da Justiça Saúde Suplementar será lançado em 2019 e analisou processos envolvendo contratos privados do setor de janeiro até setembro deste ano. Decisões desfavoráveis recentes prejudicaram bancários que tiveram a assistência do Sindicato

  • Redação Spbancarios, com informações da Folha de S.Paulo
  • Publicado em 27/12/2018 10:09 / Atualizado em 27/12/2018 15:26

Foto: Divulgação/STJ

O primeiro Anuário da Justiça Saúde Suplementar, que será lançado em 2019 pela editora Consultor Jurídico e pela Associação Nacional dos Administradores de Benefícios (Anab), aponta que ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) votaram mais a favor das operadoras do que dos consumidores em processos envolvendo planos de saúde privados em 2018. É o que revela a coluna da jornalista Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo desta quarta-feira 26.

Responsável por ações que envolvem planos de saúde no Brasil, a Corte julgou, de janeiro a setembro deste ano, 9.292 processos sobre o assunto, segundo a jornalista. No ano passado, foram 10.012 no total.

De acordo com o anuário, os planos de saúde já ocupam o segundo lugar nos temas com maior número de ações na 2ª Seção do STJ, ficando atrás apenas dos contratos bancários. A seção é responsável por definir a jurisprudência de direito privado no país.

O estudo, segundo a coluna, considerou votações sobre vários temas, entre eles se é válido o reajuste da mensalidade de planos baseado na faixa etária do beneficiado e se ex-empregados têm direito de permanecer em plano de saúde custeado exclusivamente pelo ex-empregador.

Decisão desfavorável aos bancários

A advogada Cynthia Valente, assessora jurídica do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, lembra que recentemente, em outubro, a entidade enfrentou uma série de problemas relativos a decisões da Corte em favor das operadoras, já que o STJ entendeu pela impossibilidade de se considerar a coparticipação como contribuição mensal, para fins de manutenção do plano de saúde ao ex-empregado demitido sem justa causa ou aposentado.

“Muitos bancários ficaram insatisfeitos com as decisões em suas ações individuais propostas, principalmente em face do Bradesco Saúde, com a assistência do Sindicato. Foi uma decisão que causou muitos prejuízos aos trabalhadores e ainda terá impacto em muitas ações em andamento”, ressalta.

Houve, naquela ocasião, um recurso especial interposto pela Bradesco Seguros que questionava se o ex-empregado aposentado ou demitido sem justa causa fazia jus à manutenção do plano de saúde coletivo quando o custo do plano tinha sido suportado apenas pelo empregador.

A decisão do STJ deu provimento ao recurso firmando a seguinte tese: “Nos planos de saúde coletivos custeados exclusivamente pelo empregador não há direito de permanência do ex-empregado aposentado ou demitido sem justa causa como beneficiário, salvo disposição contrária expressa prevista em contrato ou em acordo/convenção coletiva de trabalho, não caracterizando contribuição o pagamento apenas de coparticipação, tampouco se enquadrando como salário indireto”.

Plantão Jurídico

Para os casos de cobranças abusivas de mensalidades nos planos de saúde, bem como obrigações de serviços, o Sindicato atende bancários para ações judiciais por meio de um plantão jurídico. O serviço, contudo, deve ser agendado pela Central de Atendimento, pelos telefones 3188-5200.

“Por força da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) da categoria, todo o bancário tem direito ao plano de saúde. Contudo, ao final do vínculo empregatício, os trabalhadores se deparam com inúmeros problemas, que precisam ser resolvidos judicialmente, entre eles altos valores cobrados e extensão do plano de saúde não respeitada, por exemplo. E, nestes casos, podem contar com orientação do nosso plantão jurídico”, ressalta João Fukunaga, secretário de assuntos jurídicos do Sindicato.



Voltar para o topo