Novo Teto

MTST faz mutirão e constrói casas provisórias em ocupação na zona leste de SP

Ocupação Esperança Vermelha, em Cidade Tiradentes, recebeu 250 voluntários que ajudaram a erguer 19 moradias de madeira

  • Rede Brasil Atual, com edição da Redação Spbancarios
  • Publicado em 04/12/2018 13:50

Ocupação Esperança Vermelha teve início em março de 2016 e chegou a ter 2.500 moradores

Foto: Reprodução/TVT

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e a ONG TETO realizaram um mutirão para construir moradias provisórias na Ocupação Esperança Vermelha, em Cidade Tiradentes, zona leste da capital paulista. 

A reportagem é da Rede Brasil Atual.

A ação contou com a presença de 250 voluntários, que ajudaram a construir 19 casas provisórias de madeira, enquanto os moradores aguardam a construção de moradias definitivas. "Essas madeiras foram doadas pela TETO, num programa muito bom que ajuda os necessitados que não tem sua casinha. Trabalhamos sábado e domingo com muita dedicação", conta o ajudante de obra Francisco Neuton.

Adriano, morador da ocupação, sorri ao contar que vai voltar a dormir embaixo de um teto depois de dois anos. Na manhã do domingo, ele finalizou a construção da sua cama com as madeiras que sobraram do mutirão. "Já vou dormir nela hoje, se Deus quiser. Estou dando todos os ajustes para arrumar a casa", conta, em entrevista ao repórter Leandro Chaves, da TVT.

No chão de uma das casas o tapete dava as boas vindas sem esquecer os dias de dificuldade: "Bem vindo. Aqui é um lar de luta e amor". O artesão Ivan Teodoro já decorou sua residência com as pipas e o artesanato que ele mesmo faz. "A gente está super feliz aqui com a nossa casinha, graças a Deus conseguimos a vitória de ter um teto, quando chovia no barraco de lona era difícil, hoje não temos essa preocupação", conta.

A Ocupação Esperança Vermelha teve início em março de 2016 e chegou a ter 2.500 moradores. Apesar do movimento ter conquistado a garantia para a construção de 1.400 casas, algumas famílias que não têm para onde ir permaneceram no local para aguardar a conclusão do projeto "Foi uma felicidade imensa porque eu tenho certeza que é o sonho de todos. Vai mudar muita coisa porque agora a gente pode colocar um colchão, uma geladeira e um fogão", diz o pintor Adalberto Ferreira Alves.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT



Voltar para o topo