Campanha 2018

Bancários derrotam reforma trabalhista e viram referência

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, categoria fez história na Campanha Nacional 2018 ao fechar acordo com aumento real e manutenção de direitos de uma CCT que tem validade nacional

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 30/08/2018 18:00 / Atualizado em 31/08/2018 17:59

Após dez rodadas de negociação com a Federação dos Bancos (Fenaban), os bancários fecharam a Campanha Nacional 2018 - primeira num contexto de reforma trabalhista - com um acordo de dois anos, que prevê aumento real para salários e demais verbas e manutenção dos direitos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que é válida em todo o país, além de garantir que a CCT seja válida também para os hipersuficientes (quem têm escolaridade superior e ganha a partir de duas vezes o teto do INSS, hoje em R$ 11.291,60). Criados pela nova lei trabalhista, os empregados hipersuficientes poderiam estabelecer suas condições de trabalho diretamente com o empregador, ainda que fossem inferiores às previstas pelo acordo coletivo de sua categoria.

O presidente da CUT, o bancário Vagner Freitas, participou de assembleia de trabalhadores de bancos privados (BB e Caixa também realizaram suas respectivas assembleias e aprovaram a proposta da Fenaban e as específicos para renovação de seus acordos), que aprovou na quarta 29 de agosto a proposta final da campanha. O dirigente destacou a importância do acordo dos bancários para a classe trabalhadora.

“Derrotamos a reforma trabalhista construída pelos banqueiros. Isso é muito importante, porque sem isso o Brasil vai se atrasar muitos anos por uma barbárie”, disse, ressaltando que os bancários fizeram história nessa demonstração de luta.

> Bancários aprovam proposta da Fenaban

Ainda não se inscreveu no nosso canal?

Inscreva-se no nosso canal no YouTube, clique no sininho, e receba notificações quando um novo vídeo for publicado.

 



Voltar para o topo