Momento Bancário

Discriminação ainda é barreira para ascensão profissional

Uma a cada quatro empresas não contratam LGBT para cargos de gerência, aponta consultoria americana

  • Publicado em 06/10/2017 12:00 / Atualizado em 06/10/2017 13:30

São Paulo – “A contratação no caso, de grandes setores como o bancário, acaba sendo uma reivindicação recorrente. Uma consultoria americana saiu no ano passado dizendo que uma a cada quatro empresas não contratam LGBT para cargos de gerência, porque são cargos que precisam de algum trânsito público ou da imagem pública ou da pessoa para negociar. Ainda há um preconceito inerente a isso”. (Lucas Bulgarelli, coordenador do GT em diversidade e direito do Crivelli Advogados)

Bulgarelli destacou que a falta de contratação de LGBTs e a discriminação ainda são barreiras que necessitam ser superados. “Primeiro a gente precisa que essas pessoas entrem no mercado de trabalho formal e depois, que se formalizem. A gente não tem dados sobre isso no Brasil e, no entanto, fica difícil criar políticas públicas se você não sabe quantos são, qual o grau de vulnerabilidade. Com os poucos dados que a gente tem, a gente sabe que pelo menos 90% das travestis brasileiras estão em situação de prostituição e isso nos faz pensar que uma grande parcela LGBT está fora do mercado formal”.

Também participaram desta edição do MB sobre direitos LBGT, o dirigente Maikon Azzi, coordenador do coletivo LGBT do Sindicato, além de William De Lucca, jornalista e ativista LGBT.

Assista aqui ao programa na íntegra.

MB com a Presidenta – O programa de webtv vai ao ar às terças-feiras, às 18h, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube da TV dos Bancários (TVB), site do Sindicato e Facebook. É um espaço de entrevistas, que aborda assuntos de interesse dos bancários, dos direitos dos trabalhadores e de cidadania.

 



Voltar para o topo