Notícias

 

Luta contra terceirização não pode parar

Enquanto um bancário ganha mais de R$ 1 mil só de tickets, o contratado indiretamente ganha o mesmo de salário; STF vota na quarta ação que pode liberar esse tipo de vínculo empregatício nas atividades-fim

Redação Spbancários
7/11/2016


São Paulo – “É uma situação de desigualdade. Tem muita diferença salarial. Geralmente um bancário ganha o dobro, até três vezes mais, tem mais benefícios. Enquanto o bancário ganha mais de R$ 1.000 só de ticket, o terceirizado ganha isso de salário, e tudo isso para exercer a mesma função. E saber que isso pode ser aprovado pelo STF é muito triste.”

Com esse depoimento, um atendente de call center terceirizado do Bradesco conseguiu resumir a dureza da vida dos trabalhadores submetidos a esse regime de contratação. O trabalhador conta que está preocupado com o julgamento da ação no Supremo Tribunal Federal que pode liberar a terceirização de todas as atividades de uma empresa.

“Vai ser injusto porque vai defender os patrões [se a terceirização for liberada]. Quem está no banco vai correr o risco de ser mandado embora para ser contratado como terceirizado, porque vai ser mais barato para o banco e os lucros vão acabar ficando para os banqueiros.”

O Bradesco lucrou R$ 26 bilhões entre janeiro de 2015 e junho de 2016. No mesmo período, cortou seis mil postos de trabalho.

“Eu acho que o Bradesco faz uma tentativa de sugar as pessoas até não terem mais sangue nenhum, e aí ou pedimos a conta ou vamos vivendo a base de médico, psicólogo, antidepressivo. A pessoa tem um dia a dia muito maçante, que acaba te degradando dia após dia. Você não tem mais prazer porque o sistema não te trata como uma pessoa, te trata como número”, desabafa outro terceirizado.

“Para garantir os altos lucros dos bancos, vale acabar com a classe trabalhadora, começando pela destruição dos direitos trabalhistas, por isso temos de estar atentos”, afirma Erica de Oliveira, dirigente sindical e bancária do Bradesco.  “A mobilização já deu resultado nos últimos anos, quando o Sindicato conseguiu internalizar terceirizados do Bradesco Financiamentos e da Manpower, mas temos de nos manter organizados contra a aprovação da lei da terceirização no Congresso e para pressionar os ministros do STF a votarem contra esse ataque aos nossos direitos e qualidade de vida”, acrescenta.

Leia mais
> Terceirização é risco para o trabalhador
> Ex-bancária do Itaú relata a vida dura de terceirizada
> Terceirização no BB avança nas sombras
> Constituição não admite cidadão de segunda classe
> Pesquisadora critica terceirização: “degradação
> Terceirizados fazem atividades-fim na Caixa  
> Caso Transpev no Santander é exemplo de desrespeito
 
 
Copyright © 2011 - Sindicato dos Bancários. Todos os direitos reservados.