Jornada extra

Falta transparência da direção da Caixa 

Movimento sindical envia ofício cobrando informações sobre as agências que estão funcionando em período extraordinário por causa dos saques das contas inativas do FGTS, a relação dos empregados e como irá efetuar o pagamento extra

  • Redação Spbancários, com informações da Contraf-CUT
  • Publicado em 14/03/2017 18:34 / Atualizado em 14/03/2017 20:02

Fila em agência no bairro Parada de Taipas no sábado 13 de março

Foto: Seeb / SP

São Paulo – A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa Econômica Federal (CEE/Caixa) enviou ofício à direção do banco público cobrando informações sobre as agências que estão funcionando em período extraordinário e, principalmente, a lista dos empregados abrangidos pela respectiva jornada extraordinária.

A Caixa determinou a abertura de agências e convocou empregados para prestar duas horas extras diárias sem informar como irá efetuar o pagamento.

As informações foram requisitadas após dirigentes sindicais constatarem superlotação e sobrecarga de trabalho em diversas unidades bancárias – sobretudo em bairros da periferia – desde que os locais passaram a atender a população aos sábados (18 de fevereiro e 11 de março) devido aos saques das contas inativas do FGTS.

“Em todas as agências que visitamos na base do Sindicato confirmamos cenários de caos com filas imensas e quantidade insuficiente de empregados para atender o grande número de pessoas”, informa o dirigente Renato Perez.

Nas duas datas os dirigentes visitaram as unidades Vila Mazzei, Vila Sabrina, Rio Pequeno, Vila Guilherme, Pedroso de Moraes, Alberto Byington, Vila Nova Cachoeirinha, Carapicuíba, Parada de Taipas, Vargem Grande, Cotia, Nova Cotia e Vital Brasil.

O dirigente orienta os bancários a denunciarem sobrecarga de trabalho e extrapolação de jornada por meio do canal do Sindicato Assuma o Controle. O sigilo do denunciante é absoluto.   

Desde a sexta-feira 10, a CEE vem recebendo denúncias de extrapolação da jornada de trabalho, além das duas horas, o que é proibido pelo artigo 59 da CLT.

“Nós reivindicamos também o pagamento integral das horas extras (100% das horas extras) e seus reflexos, sem qualquer tipo de compensação, para todos os empregados, a considerar os gerentes e gerente geral”, informa Dionísio Reis, coordenador da CEE.

O problema é mais grave do que apenas o pagamento das horas extras, porque os gerente-gerais não têm este direito e os tesoureiros são responsáveis pela abertura e pelo fechamento das agências, o que estende ainda mais a jornada. 

“Para piorar, essa mudança acontece em meio a dispensa de 4.645 empregados que aderiram ao PDVE, o que só aumenta a sobrecarga de trabalho. A Caixa já não contrata ninguém há dois anos. É fundamental que as contratações sejam retomadas. Há mais de 30 mil aprovados em concurso aguardando convocação”, ressalta Dionísio.

Denúncia no Ministério Público do Trabalho – O movimento sindical denunciou, no dia 16 de fevereiro, a coação dos empregados, por parte dos gestores, para o trabalho aos sábados, que é um dos dias de descanso semanal remunerado.

Nesta segunda-feira 13, a denúncia de extrapolação da jornada de trabalho em um período superior ao previsto em lei, o que caracteriza a jornada extenuante, foi anexada ao processo.



Voltar para o topo