Prévia da consulta

Bancários não votam em quem aprovou reforma trabalhista

Análise preliminar dos dados da consulta aos bancários do estado de São Paulo mostra que 69% rejeitam deputados e senadores que aprovaram a lei 13.467/2017

  • Fetec-CUT/SP, com edição da Redação Spbancarios
  • Publicado em 26/05/2018 14:52 / Atualizado em 05/06/2018 17:02

Arte: Freepick

Durante a 20ª Conferência Estadual dos Bancários de São Paulo, a Fetec-CUT/SP apresentou uma análise prévia dos dados da consulta às bases dos sindicatos de bancários do estado. Até o momento, 9.500 trabalhadores haviam respondido ao questionário. A maioria apontou que não apoiará, nas eleições de outubro deste ano, candidatos que votam contra os direitos dos trabalhadores. Os bancários apontaram ainda que a manutenção da política de aumento real continua sendo muito importante.

A pesquisa foi apresentada pelo secretário de Formação da FETEC/SP, Isane Pereira da Silva, responsável pela sistematização dos resultados.

As três prioridades dos bancários, segundo o levantamento são:
- Aumento real (23%);
- Manutenção de direitos (19%);
- Garantia de emprego (15%).

Um tema relevante para a categoria é a defesa contra o sucateamento e a privatização dos bancos públicos. Para 78% dos ouvidos o tema é muito importante e para 17% é importante.

Os dados mostram ainda que, para 63% da categoria, a reforma trabalhista é considerada péssima para o trabalhador. A pesquisa indicou também que 69% da categoria não irá votar em deputados que apoiaram a reforma trabalhista (lei 13.467/2017).

> Veja os deputados de SP que traíram o povo brasileiro
> Veja os senadores coveiros da CLT e nunca mais vote neles

Outros dados indicados no levantamento são que, para 95% dos entrevistados, é muito importante ou importante eleger representantes comprometidos com a pauta dos trabalhadores, mesmo índice que é contra a terceirização irrestrita na categoria.

Para 90% dos bancários é fundamental que haja democratização da mídia, com o fim do monopólio midiático. 70% deseja receber informações sobre a categoria, preferencialmente via WhatsApp, meio escolhido por 30%, na sequencia vem o jornal do sindicato com 28%.

“A consulta que realizamos possibilitou ouvir a base para a definição das metas e estratégias da campanha 2018”, ressaltou o Secretário Geral da FETEC-CUT/SP, Eric Nilson.


 



Voltar para o topo