WEBTV

“Agência digital é call center”, denunciam bancários

Novas tecnologias devem ser boas não só para os bancos, mas também para bancários e clientes. Tema será um dos destaques da Conferência Nacional dos Bancários

  • Publicado em 26/07/2017 15:00 / Atualizado em 26/07/2017 16:17

São Paulo - Na agência digital o bancário vende por telefone, tem muita meta para bater, fica num ambiente fechado, porém trabalha oito horas por dia ao contrário dos trabalhadores de call center, que têm jornada de 6 horas, como prevê a Norma Reguladora 17 (NR 17) do Ministério da Saúde - no casos em que há atendimento telefônico - além de respeito às pausas para descanso. O banco descaracteriza o trabalho das agências digitais como forma de burlar as regras da NR 17.

“As agências digitais são call center. Um gerente que, na verdade, não é um gerente de relacionamento, como diz o nome. É um gerente de venda. Fica vendendo produto as 8 horas que fica no ambiente de trabalho”, ressalta Fábio Pereira, dirigente do Sindicato, funcionário do Itaú, que trabalha em uma agência digital.

O Sindicato segue acompanhado permanentemente todas essas mudanças nos locais de trabalho, por meio de pesquisas acadêmicas e ainda discutindo com os bancos na mesa de negociação. O avanço tecnológico e seus impactos nas relações de trabalho e para a sociedade estão entre os temas que serão discutidos na Conferência Nacional dos Bancários, a ser realizada entre os dias 28 e 30 de julho, em São Paulo.

Além de Fábio Pereira, o economista do Dieese, Gustavo Cavarzan participou programa apresentado pela presidenta do Sindicato Ivone Silva.

Acesse está edição na íntegra.

MB com a Presidenta - O programa de webtv do Sindicato vai ao ar todas as segundas-feiras, às 20h, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube da TV dos Bancários (TVB), site do Sindicato e Facebook. O MB com a Presidenta é um programa de entrevistas, conduzido pela presidenta do Sindicato, Ivone Silva, que aborda assuntos de interesse dos bancários, dos direitos dos trabalhadores e de cidadania.



Voltar para o topo