Nota oficial

Sindicato dos Bancários lamenta morte de Augusto Campos

Campos presidiu a entidade entre 1979 a 1985 e lutou durante a ditadura militar para o fortalecimento e retomada do Sindicato; manteve-se sempre ao lado dos trabalhadores e das conquistas da categoria

  • Publicado em 18/07/2017 12:16 / Atualizado em 18/07/2017 17:16

Augusto Campos: grande líder da retomada do Sindicato nos tempos da ditadura militar

Foto: Maurício Morais

São Paulo - O Sindicato dos Bancários está de luto. Perdemos nesta terça-feira (18) nosso amigo e companheiro de muitas lutas Augusto Campos. Ele presidiu o Sindicato em 1979, na retomada da entidade, e atuou ativamente contra a ditadura militar e em defesa da categoria bancária.

Combativo, esteve à frente da entidade durante a intervenção do Sindicato e prisões de trabalhadores nos anos de chumbo. Foi pioneiro e criou uma nova forma de fazer sindicalismo dentro da entidade, com a mobilização dos bancários nas greves e negociação com os bancos.

“Seu comprometimento com os trabalhadores fez com que, durante a ditadura militar, mudasse a forma de fazer sindicalismo, unindo os trabalhadores e inaugurando uma nova forma de negociar com os banqueiros, sem que a Justiça interviesse nas negociações, com greves combativas e assembleias fortes. Foi um defensor da liberdade e um grande líder na defesa dos trabalhadores”,  diz Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

Augusto Campos também participou da criação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do Partido dos Trabalhadores (PT).

Sua liderança, força, seu respeito e companheirismo serão para sempre lembrados por nossa militância. 

O velório será realizado na quarta-feira 19, a partir das 8h, no salão nobre do Memorial Acrópole Ecumênico, em Santos (Avenida Nilo Peçanha, 50, Marapé). A cerimônia de cremação será às 16h.



Voltar para o topo