Alesp

Reforma da Previdência tem rejeição total em audiência

Durante debate promovido pela CPI da Previdência do Senado, maioria dos palestrantes também condenou os programas de Refis criados pelo Governo Temer

  • Agência Senado, com edição da Redação
  • Publicado em 15/09/2017 13:38 / Atualizado em 15/09/2017 13:39

Reforma da Previdência não agrada a ninguém

Foto: Gabinete Senador Paulo Paim

 

São Paulo - Durante audiência pública promovida pela CPI da Previdência do Senado realizada na quinta 14, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), representantes do Judiciário, Ministério Público e dos trabalhadores foram unânimes em se posicionar contra a reforma da Previdência proposta por Temer, que, na prática, acaba com a aposentadoria pública.

A maioria dos palestrantes condenou também os programas de regularização tributária, os chamados Refis, criados pelo Governo Temer.

O senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CPI, apontou o devedor contumaz da Previdência Social, como o causador do tal deficit previdenciário, que, na prática, nem existe. A Desvinculação de Receitas União (DRU) foi apontada pelo professor Heleno Torres como uma distorção que drena 30% dos recursos da Previdência.

O procurador-chefe da Dívida Ativa da 3ª. Região, Wellington Vitorino de Oliveira, informou que soma mais de R$ 1 trilhão o total das dívidas ativas inscritas na Justiça Federal. Na lista dos maiores devedores, em primeiro lugar, estão os frigoríficos, em especial o grupo JBS, com dívida superior a R$ 1 bilhão. Em segundo lugar está o setor bancário, que se caracteriza pela litigiosidade. Em terceiro, as instituições de ensino e, em seguida, as empresas de terceirização de mão de obra.

O juiz federal Renato Lopes Becho reclamou da Receita Federal e do Ministério do Público Federal, que não estariam cumprindo o prazo de 180 dias para encaminhar à Justiça Federal as ações de execução contra os devedores.

Segundo o procurador Wellington Vitorino de Oliveira, os chamados entes federativos também ocupam lugar de destaque entre os maiores devedores da Previdência Social e, como exemplo, citou o governo do estado de São Paulo. Ele lembrou que os estados só pagam através de precatórios e “pagar assim, é não pagar” – declarou.

Silvana Abramo Margherito Ariano, secretária-geral da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, defendeu a realização de um plebiscito para que a sociedade se manifeste sobre a reforma da Previdência. Ela revelou preocupação com a automatização dos processos produtivos, “o que está provocando uma dispensa massiva de trabalhadores”. Para Silvana Abramo, as empresas com maior grau de automatização devem pagar uma contribuição para o INSS como forma de compensar o aumento dos gastos com o salário-desemprego.

Refis - Paulo Penteado Teixeira Junior, da Associação Paulista do Ministério Público, disse que esses programas criam um círculo vicioso e se configuram “como um incentivo ao não pagamento dos tributos”. Para Heleno Torres, professor de Direito Tributário da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil está refém do modelo de parcelamento, “o que dá aos maus pagadores poderes para não pagar. O contribuinte não paga e fica esperando o próximo Refis”.



Voltar para o topo