Só a luta te garante

Campanha Nacional dos Bancários injeta R$ 7,9 bi na economia 

Fruto da organização e mobilização, categoria conquistou ganhos reais, acima da inflação, de 20,3% para os salários e de 41,6% nos pisos entre 2004 e 2017  

  • Redação Spbancarios, com informações da Contraf-CUT
  • Publicado em 09/11/2017 18:26 / Atualizado em 09/11/2017 18:47

Arte: Freepik

São Paulo – A Campanha Nacional dos Bancários 2017 injetará R$ 7,9 bilhões na economia brasileira em doze meses, iniciados em setembro último. A maior parte desse valor vem da PLR: R$ 6,297 bilhões. 

Entre 2004 e 2017, a categoria conquistou ganhos reais, acima da inflação, de 20,3% para os salários e de 41,6% nos pisos. 

Em 2017, o reajuste de 2,75% nos salários da categoria bancária – somatória da reposição do INPC mais 1% de ganho real – representou acréscimo anual de cerca de R$ 1,390 bilhão na economia do país.

Além disso, o mesmo reajuste, que também foi aplicado nos vales alimentação e refeição, somam mais R$ 213,6 milhões.

Os dados são baseados nos números da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministérios do Trabalho, divulgada em 2016, quando o número de bancários no Brasil era de 485.719.

Só em setembro, quando foi publicado o INPC e creditado o primeiro pagamento da PLR com a aplicação do índice de reajuste, o impacto foi cerca de R$ 3,065 bilhões na economia.

O acordo de dois anos – iniciativa que garantiu as cláusulas previstas na Convenção Coletiva de Trabalho até setembro de 2018, em uma conjuntura de retirada de direitos – gerou um impacto na economia do país que superou a casa dos R$ 20 bilhões entre 2016 e 2017.

“Fechamos um acordo de dois anos em 2016, com avanços para a categoria, após um mês de forte greve e temos de ter consciência sobre a importância de um Sindicato forte e combativo. Nossa categoria é pioneira em avanços para os trabalhadores. Estaremos juntos em defesa do emprego e não vamos aceitar retrocessos diante da reforma trabalhista de Temer. É preciso união para combater os retrocessos e não vamos recuar! Participe da luta”, conclama a presidenta do Sindicato, Ivone Silva. 


 



Voltar para o topo