Anamatra

Se há previsibilidade, não pode haver trabalho intermitente

  • Publicado em 29/11/2017 20:00 / Atualizado em 30/11/2017 12:16

São Paulo - “Pessoas que estão distante do interesse direto, academia, magistratura, Ministério Público, órgãos internacionais… todos condenam as alterações, porque é basicamente uma reforma feita num gabinete, de empresas e de setores para atender demandas específicas, permeadas por um discurso extremante falso que é do crescimento da economia, melhoria da empregabilidade etc. Vamos pegar aqui o exemplo do trabalho intermitente. Elas já demitem ou planejam contratar nessa nova modalidade e, portanto, você tem uma precarização daquele emprego que já existia. O que o banco faz agora é enquadrar as pessoas que já tinha nessa nova modalidade, que é prejudicial”.  Camilo Onoda Caldas, advogado e Diretor o Instituto Luiz Gama.

A questão do trabalho intermitente , inclusive na nossa segunda jornada, que estava mencionando no bloco anterior é um exemplo muito claro, não é qualquer trabalho que possa ser realizado em momentos diferentes que serão trabalhos intermitentes. O trabalho intermitente precisa necessariamente estar vinculado principalmente a uma atividade econômica intermitente ou estar vinculado a um fato imprevisível, porque se há previsibilidade, há um contrato normal”. Silvana Abramo, secretária-geral da Anamatra.

“No caso de uma agência bancária que abre todo dia, das 10h às 16h, e supermercado, que todo dia está lá não pode ser intermitente”. Neiva Ribeiro, secretária-geral do Sindicato.

Assista aqui ao programa na íntegra.

MB com a Presidenta – O programa de webtv vai ao ar às terças-feiras, às 18h, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube da TV dos Bancários (TVB), site do Sindicato e Facebook. É um espaço de entrevistas, que aborda assuntos de interesse dos bancários, dos direitos dos trabalhadores e de cidadania.



Voltar para o topo