Previdência 2019

Reforma de Bolsonaro: trabalhador prestes a se aposentar vai pagar pedágio

Com obrigatoriedade de idade, trabalhadores terão de trabalhar mais para se aposentar. Por exemplo, uma mulher que tem ou completa 59 anos este ano deverá esperar completar 60 anos e seis meses

  • Rosely Rocha, da CUT, com Redação Spbancarios
  • Publicado em 21/02/2019 14:11 / Atualizado em 08/04/2019 11:55

Trabalhadores prestes a se aposentar terão de pagar um pedágio, ou seja, trabalhar e contribuir por mais tempo

Foto: Roberto Parizotti/CUT

Se a proposta para a reforma da Previdência 2019 do governo Bolsonaro for aprovada, os trabalhadores prestes a se aposentar terão de pagar um pedágio, ou seja, trabalhar e contribuir por mais tempo.

A reportagem é do Portal CUT.

De acordo com a proposta, os mais prejudicados serão os mais pobres, que começam a trabalhar mais cedo. Isso porque o pedágio para quem está prestes a se aposentar será de 50% do tempo que faltaria para aposentadoria, tanto por contribuição como por idade.

Atualmente, o trabalhador pode se aposentar por tempo de contribuição (30 anos para mulheres, 35 anos para homens), independentemente da idade. A reforma acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição.  

Pelas regras de transição da equipe econômica de Bolsonaro, uma mulher que tem ou completa 59 anos em 2019 deverá esperar para completar 60 anos e seis meses para solicitar sua aposentadoria. O mesmo vale para homens que estão com 64 anos.

Quem está prestes a cumprir o tempo de contribuição mínimo para aposentadoria – 30 anos, se mulher, e 35, se homem – poderá optar pela aposentadoria sem idade mínima, aplicando-se o Fator Previdenciário, após também cumprir pedágio de 50% sobre o tempo faltante.

No caso de uma mulher com 29 anos de contribuição poderá se aposentar pelo Fator Previdenciário se contribuir mais um ano e meio. O mesmo vale para homens que já tenham 34 anos de contribuição.

Leia mais

> Ivone Silva entrevista especialista sobre previdência no Chile. Assista!
> Previdência: capitalização irá empobrecer população
O perverso sistema previdenciário do Chile
Previdência: Chile e Japão, caminho inverso do Brasil
Na reforma da Previdência, Brasil poderá optar entre Europa e Chile
Reforma da Previdência é boa para quem?



Voltar para o topo