Crescimento de 83,7%

Lucro da Caixa supera meta e chega a R$ 11,5 bi em 9 meses

Previsão para 2018 era de R$ 9 bilhões; montante acumulado neste ano teve crescimento de 83,7% em relação ao mesmo período de 2017

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 14/11/2018 18:26 / Atualizado em 14/11/2018 18:36

Foto: Maurício Morais / Arquivo / Seeb-SP

O lucro líquido da Caixa chegou a R$ 11,5 bilhões nos nove primeiros meses deste ano, um crescimento de 83,7% em relação ao mesmo período de 2017. O montante supera a meta prevista para todo este ano, que era de R$ 9 bilhões.

Já o resultado operacional do banco público apresentou crescimento substancial, atingindo R$ 15,8 bilhões, um aumento de 111,7% em doze meses. Segundo a Caixa, o lucro líquido expressivo foi influenciado, principalmente, pelo crescimento da margem financeira, pela redução nas despesas com PDD e nas despesas administrativas, e pelo crescimento nas receitas de prestação de serviços e tarifas.

“Com o lucro expressivo e que supera a meta estabelecida para este ano, a expectativa dos empregados é de uma segunda parcela da PLR mais alta. Todavia, o resultado da Caixa é extremamente prejudicial aos bancários e ao Brasil, por conta da sobrecarga de trabalho dos empregados e da consequente precarização no atendimento ao público”, ressalta Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) e diretor do Sindicato.

Fechamento de agências e postos de trabalho

A Caixa, em doze meses, fechou 1.352 postos de trabalho impactados pelo Plano de Apoio à Aposentadoria (PAA) e Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE), encerrando o 3º trimestre de 2018 com 86.427 empregados.

Houve também redução do número de agências: 36 unidades a menos, totalizando 3.379 agências no final do terceiro trimestre de 2018.

A despesa de pessoal, incluindo PLR, caiu 1% e somou R$ 17,408 bilhões. Desta forma, somente as receitas de prestação de serviços e tarifas (R$ 20,134 bilhões) cobririam 115,7% desta despesa, um crescimento de 10,4 pontos percentuais em relação ao terceiro trimestre de 2017.

Ativos e patrimônio líquido

Os ativos administrados da Caixa (contabilizando o FGTS e os fundos de investimento) totalizaram R$ 2,3 trilhões. Entre os R$ 989,3 bilhões de recursos de terceiros geridos pelo banco público, somente os ativos do FGTS somaram R$ 518,7 bilhões, um crescimento de 2,6% em doze meses. Já o total de ativos próprios totalizaram R$ 1,281 trilhão, variação de somente 0,9% no mesmo período.

O patrimônio líquido do banco obteve crescimento de 26,3%, com a rentabilidade sobre o patrimônio nos primeiros nove meses do ano em 18,05%, crescimento de 7,32 pontos percentuais.

A Caixa é o principal agente operador dos programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família, por exemplo. Até setembro de 2018, o banco público pagou 121,3 milhões de benefícios sociais, correspondendo a R$ 22,1 bilhões.

Outros números

A carteira de crédito ampla totalizou R$ 693,788 bilhões, uma queda de 2,6% em relação ao mesmo período de 2017. Tanto a carteira PJ quanto a PF decresceram 22,1% e 12,9%, respectivamente. As receitas oriundas das operações de crédito também caíram (-12,1%), totalizando R$ 59,174 bilhões.

Em contrapartida, as despesas de captação e a de PDD caíram substancialmente (36,5% e 27,2%, respectivamente), o que também ajudaram no resultado do banco.

A inadimplência acima de 90 dias caiu para 2,44% nos nove primeiros meses de 2018, abaixo dos 2,72% registrados no mesmo período de 2017.



Voltar para o topo