Se votar, o Brasil vai parar!

Vagner convoca para greve contra reforma da Previdência

"Estamos em estado de greve", diz presidente da CUT em vídeo. Ele alerta que governo e base aliada querem votar PEC na próxima semana: "Pode ser dia 11, 12, 13... não importa. Se eles botarem pra votar, nós vamos fazer greve"

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 06/12/2017 18:17 / Atualizado em 06/12/2017 20:09

São Paulo – Em vídeo divulgado nesta quarta-feira 6 nas redes sociais, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o bancário Vagner Freitas, conclama os trabalhadores e trabalhadoras do pais a se manterem em alerta para uma possível greve nacional já na semana que vem, entre 11 e 15 de dezembro, que é quando o governo Temer e sua base aliada no Congresso Nacional pretendem colocar em votação a reforma da Previdência (PEC 287), que vai acabar com a aposentadoria de milhões de brasileiros. "Nós temos a informação de que os golpistas vão tentar votar a reforma na semana que vem. Então eu quero convocar a base da CUT para fazer seu papel histórico de enfrentar os golpistas e impedir que seja retirado esse direito dos trabalhadores. Se botar pra votar, o Brasil vai parar! E nós estamos em estado de greve. (...) Nós não sabemos qual o dia que vai votar na semana que vem, ou se vai votar na semana que vem. Qualquer dia que for a votação, se for no dia 11, 12, 13, 14... qualquer dia, nós estaremos paralisados. No dia que colocar à votação, o Brasil vai parar!", reforça.

Vagner Freitas também convidou todos a pressionarem os deputados mandando mensagens pelo site Na Pressão, ferramenta criada pela CUT para facilitar o envio de e-mails e whatsapps aos parlamentares. "Temos de mandar nosso recado, dizendo claramente a esse deputado [que votar a favor da reforma] que ele não se reelegerá", enfatiza o dirigente, informando ainda que a CUT vai panfletar nos redutos eleitorais de cada parlamentar que votar a favor da PEC, mostrando os rostos desses políticos "traidores da classe trabalhadora" a seus eleitores.

Leia mais:
> Ato na Paulista reforça: Brasil para se Congresso votar reforma da Previdência
> Cartilha mostra que não há rombo na Previdência
85% dos brasileiros são contra reforma da Previdência

 



Voltar para o topo